Opinião

Publicado: Domingo, 17 de março de 2019

A tragédia de Suzano e o efeito contágio

Por Nicole Rodrigues.

A tragédia de Suzano e o efeito contágio
"A tragédia ocorrida em Suzano não deve ser mostrada como algo sem explicação, ou de maneira simplista."

Na última semana fomos abalados com a tragédia acontecida em uma escola de Suzano. Os homicídios seguidos de suicídios tomaram proporções gigantescas nas mídias. Em geral casos de suicídios não são divulgados, mas em caso como esses, ou no caso de suicídio de celebridades a cobertura da mídia se torna inevitável.

No caso da cobertura midiática de suicídios, a Organização Mundial da Saúde pede para que a mídia siga algumas orientações para evitar o que chamamos de “Efeito Werther”, que é quando a divulgação de um suicídio desencadeia vários outros casos parecidos. A pesquisas comprovam, por exemplo, o aumento nos casos de suicídio nos Estados Unidos após o suicídio do ator Robin Williams em 2014.

Considerando isso, a OMS orienta evitar coberturas sensacionalistas, como divulgar vídeos e fotos das vítimas e do lugar onde a tragédia ocorreu, ou como os envolvidos planejaram os homicídios seguidos do suicídio, tudo isso pode possibilitar que aconteçam mais casos semelhantes.

A tragédia ocorrida em Suzano não deve ser mostrada como algo sem explicação, ou de maneira simplista. Em casos como esse a tragédia nunca é resultado de um único fator, geralmente a causa é uma interação complexa de vários fatores sociais, culturais, interpessoais que podem ou não envolver doenças físicas ou mentais.

Do mesmo modo que pode estar relacionado a implicações de vários fatores, casos como esse também não devem ser retratados como sendo a resolução para alguma problema, como o fim de um relacionamento ou crise financeira, por exemplo. Reconhecer que esses homicídios e suicídios podem ser resultados de inúmeros fatores pode ser muito útil na cobertura midiática responsável.

É importante considerar também o impacto dessa tragédia na vida dos familiares das vítimas, dos que sobreviveram, e das pessoas que estão diretamente ligadas a isso, elas precisam de cuidado e atenção. Devido as grandes proporções de atentados como esse acredito que, uma das coisas mais importantes seja refletir e pensar de forma crítica sobre a prevenção de violência nas escolas e na sociedade de modo geral, e como ser humanos respeitar e auxiliar a todos que choram por esse luto, afinal, todos nós perdemos crianças que tínhamos a obrigação de proteger como sociedade e como indivíduos.


Nicole Rodrigues é psicóloga e escreve sobre temas relacionados a Psicologia.

Comentários

Ariza Centro Veterinrio