Educação

Publicado: Segunda-feira, 1 de julho de 2019

Museu Republicano de Itu oferece Curso de Extensão Universitária

Modalidade Difusão Cultural nas férias.

O Museu Republicano de Itu está com inscrições abertas para o Curso de Extensão Universitária – Modalidade Difusão Cultural nas férias. O curso será realizado no dia 13 de julho (sábado), das 9h às 18h, no Centro de Estudos do Museu Republicano (Rua Barão de Itaim, 140, Centro, Itu/SP) e terá como tema “O campo da educação não formal e a história oral: o lugar do menor e as possibilidades de diálogos”.

O encontro será ministrado por Livia Morais Garcia Lima e Renata Sieiro Fernandes. Os interessados podem se inscrever de 01 a 09 de julho, pelo e-mail edu.mrci@usp.br e solicitar ficha de inscrição. São oferecidas 50 vagas.  

Ministrantes:

Livia Morais Garcia Lima – Doutora em Educação pela UNICAMP. Atualmente é docente do Programa de Mestrado em Educação do Unisal - Americana/SP e Pós - Doutoranda pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da EACH/USP.

Renata Sieiro Fernandes - Possui doutorado em Educação pela UNICAMP. É docente do programa de pós-graduação do Centro Universitário Salesiano São Paulo. Membro do grupo Conhecimento e Análise das Intervenções na Práxis Educativa Sociocomunitária - CAIPE/UNISAL e do grupo Educação, Linguagem e Práticas Culturais - PHALA/UNICAMP.

Ementa:

O campo da Educação Não Formal encontra-se em processo de constituição. Pensar o munícipio (cidade e campo) como patrimônio educativo no campo da Educação Não Formal é entender que ele se apresenta sob a forma de patrimônio histórico, cultural, artístico, arquitetônico, econômico, social, natural ou de patrimônio total e de que aprendemos nele nos seus tempos e espaços. A Educação Não Formal pode vir a ocupar espaços de resistência, com a crença na humanização e processos democráticos, com a fortalecimento de singularidades, ao invés de massificação e se faz contra hegemônico. A metodologia da História Oral, que permite fazer a história do tempo presente, evidencia as visões e interpretações de grupos, tradicionalmente, invisibilizados e não ouvidos, amplificando as vozes e tensionando as versões oficiais e os discursos hegemônicos. Por tais características, ambos assumem o lugar do menor ou da minoridade, como resistência, como instituinte, potencializando ações micropolíticas e cotidianas.

Objetivos:

Apresentar a abrangência e criação do campo conceitual e histórico da educação não formal e do município educativo e servir de apoio teórico para os interessados em conhecer e/ou se aprofundar nas questões referentes à temática, assim como subsidiar discussões para àqueles que trabalham em instituições, associações, organizações que atuam nesse tipo de educação em diálogo com a metodologia da História Oral.

Metodologia:
Roda de conversa, exposição dialogada, uso de tecnologias (som, imagem).  

Comentários