ponto-turístico-estradaparque

Primeiro juiz cego do país lecionava em Itu

Publicado: Sexta-feira, 24 de julho de 2009 por Marília Monteiro

Ricardo Tadeu era professor da Faculdade de Direito de Itu.

O Juiz Ricardo Tadeu da Fonseca, de 50 anos, foi nomeado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva como juiz desembargador do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná, no dia 16 de julho. Ricardo já foi professor da Faculdade de Direito de Itu e é o primeiro juiz brasileiro que possui completa deficiência visual.
 
“Sempre quis ser juiz. Estou realizando um sonho”, revela Ricardo ao ser recebido pelo Presidente Lula.
 
O ex-professor exerceu por 18 anos o cargo de Procurador do Trabalho, e há duas décadas foi desclassificado num concurso para juiz do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo justamente em razão de sua deficiência visual. Atualmente Ricardo Tadeu da Fonseca dá expediente no Tribunal Regional do Trabalho, em Curitiba, como desembargador.
 
O juiz ocupa a vaga correspondente ao quinto constitucional destinada ao Ministério Público do Trabalho, anteriormente ocupada pela desembargadora Wanda Santi Cardoso da Silva, que se aposentou no mês de janeiro passado.
 
Aos 23 anos, enquanto cursava o terceiro ano de Direito na Faculdade do Largo São Francisco (USP), Fonseca perdeu totalmente a visão. Seus colegas iniciaram um sistema de gravação dos conteúdos dos livros e legislações com o objetivo de que ele concluísse a graduação. Formado, Fonseca seguiu carreira primeiro como advogado e depois de concluir Especializações, Mestrado e Doutorado. Em 1991 foi aprovado em concurso para o Ministério Público do Trabalho.
 
De cinco mil candidatos, ele obteve o sexto lugar. “As pessoas não podem acreditar nos limites que querem impor a elas”, declarou o novo juiz em entrevista sobre a sua carreira como operador do Direito. Além da experiência de quase duas décadas como Procurador do Trabalho, Fonseca conhece a leitura em braile e domina programas de computador para deficientes visuais e técnicas de audição que o auxiliam na função.
 
Como operador do Direito, Fonseca ostenta carreira invejável. Ele é o autor do livro “O Trabalho da Pessoa com Deficiência e a Lapidação dos Direitos Humanos”. Procurador do Trabalho desde 1991, em 2001 recebeu Comenda de Honra ao Mérito, por indicação da população do município de São Carlos, interior de São Paulo. Também atuou na ONU para a redação da Convenção Internacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, norma que o Brasil ratificou em agosto do ano passado.

Tags: direito, juiz

  • Comentários