Opinião

Publicado: Quinta-feira, 3 de julho de 2008

Alan Dubner fala sobre Eleições 2.0

Crédito: Camila Bertolazzi / www.itu.com.br Alan Dubner fala sobre Eleições 2.0
"Sou otimista em acreditar que teremos uma Nova Política muito mais transparente, colaborativa e voltada ao coletivo"

Tenho certeza que a Internet vai definir as eleições de 2010, terá alguma influência na de 2008 e as campanhas nunca mais serão as mesmas. O que está acontecendo nas eleições 2008 dos EUA acontecerá na nossa em 2010. Lá, um “azarão” sem chances numa campanha tradicional mudou o jogo e conseguiu uma façanha inédita.

 

O autor do excelente livro “The First Campaign”, Garrett Graff, compara essa revolução nas eleições americanas com a de 1952 em que Eisenhower usou um meio totalmente desacreditado por parecer elitizado, que não tinha muitos adeptos (assim como se pensa ainda hoje sobre a Internet): a TV. Dois anos depois 10.000 americanos, por dia, compravam sua primeira TV. Em 1956, quando ele se reelegeu, 75% dos lares tinham TV. As campanhas políticas nunca mais foram as mesmas nos EUA.

 

Agora é a Internet que está definindo o rumo dessa eleição e as campanhas nunca mais serão as mesmas. No Brasil isso vai acontecer na eleição de 2010, que começa em outubro de 2008. Aqueles que não começarem nessa época, terão poucas chances. Ao invés das grandes redes de mídia definirem o que as pessoas vão ver, as próprias pessoas vão gerar conteúdo para outras verem. As histórias que a grande imprensa consegue dominar irão, pouco a pouco, perder o controle para o cidadão comum. Hoje ainda é possível fazer do caso Isabela a novela do momento e encobrir uma grande quantidade de outras histórias que poderiam também estar na pauta. Mas isso será por pouco tempo.

 

O Pangea Day, um dos melhores movimentos internacionais desse primeiro semestre, teve uma divulgação quase nula, sendo que o Brasil foi um dos 6 países escolhidos para participar. Fiquei impressionado! Se você não sabe o que foi isso, você está entre os que ainda são pautados pela grande mídia. Mas em pouco mais de 1 ano será impossível viver assim. Seu celular, seu browser ou seu pda estará lendo e enviando posts, twitters, sms, qrcodes, rss, gis, gps do seu interesse, mesmo que você não saiba o que significa isso. Na prática, você estará conectado com uma rede colaborativa que o ajudará a encontrar caminhos, descontos, conteúdo, bem estar e principalmente relacionamentos.

 

Os políticos que não perceberem que o mundo mudou tomarão um susto ao verem completos desconhecidos receberem quantidades impressionantes de votos. Talvez chamarão essa sensação de efeito Hillary. Mas o mais importante não é a mudança do formato da campanha, mas sim a mudança do perfil do político e da política. Teremos gestores públicos que serão monitorados pelo seu eleitorado durante o mandato. Teremos representantes que farão plebiscitos on-line a cada decisão a ser tomada por um grupo de participantes com interesses naquele assunto. Estamos diante de uma nova era para a política, para os políticos e principalmente para os cidadãos.

 

A diferença entre a web 1.0 e a 2.0 é simples. Na primeira, o conteúdo é produzido por um e distribuído para muitos (assim como nas mídias tradicionais). Na segunda, o conteúdo é produzido por muitos e distribuído para muitos. Portanto, a ação de uma única pessoa pode, com a colaboração de muitos, se tornar um sucesso através de uma reação em cadeia na comunicação. Este é o princípio!

 

A semente desse movimento começou nos EUA, em janeiro de 1998 quando a revista Newsweek decidiu não publicar a matéria sobre o escândalo sexual de Bill Clinton com uma estagiária da Casa Branca (Monica Lewinsky). No entanto, um site de fofocas chamado Drudge Report, do jornalista Matt Drudge, publicou (ou postou) essa informação e gerou uma cadeia de eventos com um final que conhecemos bem. Dali em diante, nós podemos colecionar centenas de casos em que um único individuo consegue revelar uma informação que transforma o ambiente. Desde a descoberta das fraudes nas fotos da Reuters, até as falsas informações de um importante jornalista do Times que abalaram o mundo do jornalismo.  

 

O caso Obama é sem dúvida o pivô dos holofotes em mídia social. Ele mesmo foi prejudicado pela ação de cidadãos em pelo menos dois casos. O do pastor (amplamente conhecido) e a da Mayhill Folwer, uma senhora de 60 anos e colaboradora do site Huffington Post, que convida o cidadão a ser jornalista. Ela conseguiu, com um simples gravador, levar (em abril) a popularidade de Obama ao nível mais baixo de sua campanha. Dois meses depois essa mesma senhora conseguiu tirar Bill Clinton do sério e gravar sua resposta ofendendo um jornalista da revista Vanity Fair... ele teve que se desculpar publicamente. Pois é, estamos entrando na era em que todo mundo pode ser um jornalista de plantão e tem o poder de alterar o rumo de uma campanha e muito mais.

 

Sou otimista em acreditar que teremos uma Nova Pol&iacu

Comentários

Mais lidas do canal