Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 30 de novembro de 2018

E o que eu ganho com isso?

Crédito: Pixabay E o que eu ganho com isso?

No último artigo, conversamos sobre a complexidade do processo de tomada de decisão em carreira e vimos que a tomada de decisão é regulada pelo sistema de recompensa.

Na cultura ocidental, a recompensa em carreira está diretamente atrelada à motivação, palavra advinda do latim movere, que significa mover para agir. A motivação é um fator intrínseco, ou seja, faz parte dos aspectos psíquicos do indivíduo.

Estudos apontam que o impulso para a ação é algo individual e eu acrescentaria intrasferível. O que motiva Maria, pode não motivar João, que pode motivar José. Por isso, tantas pessoas dizem: “dinheiro não traz felicidade. ” E outras tantas dizem: “dinheiro não traz felicidade...compra. ” Trocando em miúdos...ao somar carreira, motivação e sistema de recompensa, teremos resultados distintos.

Ainda que vivamos em uma sociedade capitalista, algumas pessoas têm vergonha de assumir que são movidas pelo dinheiro, ou mesmo não sabem o quanto isso as motiva, o que pode dificultar sobremaneira, a gestão destas pessoas nas empresas por exemplo. Já para os profissionais liberais por outro lado, essa negação ou falta do autoconhecimento, pode impedi-los de concretizar ações que lhes tragam retorno financeiro mais significativo.

O parágrafo acima, revela a importância de reconhecer em nós mesmos, e acima de tudo, assumir o que nos move para a ação. É um movimento de verdade e empoderamento, um movimento quase que libertador, que promove força e segurança para fazermos a gestão de nossa carreira.

E como é que tudo isso funciona na prática? Ao tomar consciência daquilo que nos move para a ação, torna-se mais fácil direcionar nossa carreira em busca de um sistema de recompensas que seja coerente com nossa motivação.

Alguns fatores que fazem parte do sistema de recompensas em carreira:

Salário

Benefícios

Desafio

Conhecimento

Valorização e reconhecimento

Status

Poder

Responsabilidade

Realização pessoal

Ter uma missão

Autonomia

            Gerenciar o sistema de recompensas pode gerar ansiedade, pois novamente está em pauta, o autoconhecimento e o conhecimento do mercado de trabalho, tarefa desafiadora sobre a qual conversamos no último artigo. Para diminuir a ansiedade caso esteja muito alta, é possível utilizar dois conceitos de origem grega: Douléia e Erga. Os nomes podem parecer estranhos, mas vale a pena conferir o que podem trazer de valor para o desenvolvimento profissional.

            Em resumo, Douléia é o trabalho realizado para garantir o sustento, o que inclui alimentação, higiene, saúde, segurança, moradia, etc. Erga é o trabalho reflexivo, criativo, que promove o desenvolvimento de nossos talentos e realização de projetos pessoais.

            Na prática, significa que uma pessoa cujo fator motivador não seja por exemplo o dinheiro e sim o conhecimento e o desenvolvimento pessoal, pode em sua Douléia, trabalhar em uma empresa da qual obtenha seu sustento, e dedicar tempo à Erga, através do estudo (leitura, cursos, pesquisas).

Conciliar Douléia e Erga é um desafio que poderá promover uma gestão de carreira mais saudável e harmoniosa. Para lidar com este desafio, você pode contar com um Coach de Carreira, ou Consultor de Carreira, profissional que apoia pessoas em seu desenvolvimento profissional.

Quer saber mais sobre carreira? Acompanhe e comente as próximas publicações.

Lembre-se: Não importa sua idade, o importante é saber onde você está e onde quer chegar!

 

 

 

 

Comentários

Carreira sem Fronteiras

Karina Almeida

Karina Almeida

Atua como Consultora e Coach de Carreira, apoiando profissionais no fortalecimento, alavancagem e redirecionamento de carreira, bem como jovens no processo de escolha profissional.

Arquivo

21 dias atrás

Para onde eu vou?

8 de novembro de 2018

O que você quer ser quando crescer?