Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Dança do Ventre: saúde, mente sã e alma alada

Crédito: Gisele Bohnen Dança do Ventre: saúde, mente sã e alma alada
Jaqueline Rosa é bailarina e professora de Dança do Ventre em Cabreúva e Itu

 Essencialmente feminina, a dança do ventre é uma excelente atividade física: tonifica músculos, afina a cintura, queima calorias, melhora postura, condicionamento cardiorrespiratório e alongamento.

A dança é também um excelente meio para encontrar equilíbrio emocional: na dança, lidamos com o aprendizado, o fácil e o difícil, as conquistas e frustrações; nos livramos do stress, da vergonha, da ansiedade. Aprendemos a respeitar os nossos corpos, nossos limites, nossas individualidades.

Também, através da dança, podemos fortalecer nossa auto-estima. Essa conquista, no entanto, pouco tem a ver com a quantidade de adereços ou maquiagem utilizada nas apresentações, ou mesmo com a aprovação masculina. Na aula de dança, mulheres tão habituadas a correrem durante todo o dia para dar conta de seus afazeres têm um tempo só delas. Uma hora marcada para aprenderem algo novo – e se descobrirem talentosas, capazes; um tempo para se olharem no espelho – se descobrirem bonitas, delicadas, fortes, inspiradoras; um momento de esquecerem-se das obrigações, das contas, da janta, dos problemas - e se concentrarem nos movimentos do seu corpo. É um tempo de se olhar e se cuidar.

Além disso, aulas de dança proporcionam o contato com outras mulheres, a troca de experiências e o despertar de amizades e risadas. Poucas coisas são tão revigorantes quanto rir com amigas, não é mesmo?

No entanto, o que mais tem chamado a minha atenção na dança do ventre nos últimos anos é a maneira com que ela acolhe a todas as mulheres, independentemente das suas idades, formas físicas ou condições sociais. Todas as mulheres podem dançar: gordas ou magras, altas ou baixas, jovens ou velhas. Se você sabe andar, você sabe dançar! Não importa se você nunca dançou na vida ou se você não tem um corpo flexível agora: a dança está dentro de você e nosso corpo é infinitamente capaz de adquirir força, flexibilidade, agilidade e alongamento, com tempo e treino.

A arte nos mostra caminhos para uma vida mais leve e feliz. E a dança proporciona um cuidado global: corpo, mente e emoções sintonizados, em equilíbrio. É também um convite para o autoconhecimento, para que nos descubramos únicas.

A dança do ventre, apesar de ter uma técnica e um embasamento histórico-cultural muito fortes, se manifesta em cada mulher de forma diferente. A dança de uma bailarina nunca será igual a da outra, mesmo que ambas utilizem a mesma técnica como base. Isso acontece porque os corpos são diferentes, as personalidades são diferentes e as expressões dos sentimentos são diferentes. E isso é maravilhoso!

Muitos ainda limitam a dança do ventre ao estereótipo da sensualidade, mas ela é mais do que isso, pois expressa diversos sentimentos: pode ser alegre, triste, forte, delicada, romântica, despretensiosa, dramática... Assim, há espaço para que mulheres (das mais tímidas e delicadas até as mais extrovertidas e audaciosas) se expressem.

Experimente a dança do ventre e permita-se desbravar um universo totalmente feminino que, como nós, mulheres, é múltiplo, complexo e poderoso! Venha se divertir, conhecer a si e a outras! A dança liberta. Como disse Santo Agostinho: “Eu louvo a dança que tudo promove: saúde, mente sã e uma alma alada. Ser humano: aprenda a dançar!”

Comentários

Jaque(on)line

Jaqueline Rosa

Jaqueline Rosa

Jornalista, fotógrafa, coach, analista comportamental e bailarina.

Arquivo