Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 4 de maio de 2018

Esperança

Poderíamos, todos nós, fazermo-nos poetas e sonhadores esperançosos. Tomaríamos emprestada a claridade desse quase junho altamente luminoso, ameno no clima, que sequer o anúncio do frio ainda nada nos trouxe.

Quedaríamos, agachados, a contemplar as flores silvestres, pequeninas e tão belas na sua singeleza quanto as exuberantes.

Perderíamos outros minutos a permitir que os dedinhos buliçosos dos bebês se prendessem entre os nossos. Quando nos aproximássemos do seu rostinho macio, para um roçar afetuoso, o seu inesperado tapinha representaria o mais terno dos afagos. Nas paredes de nossa casa, explícitas, ou escondidas essas fotos nos álbuns, contemplaríamos o rostinho inocente de nossos filhos, hoje adultos. Outro dia, ao assim procedermos, custou-nos crer sejam eles os mesmos e que o tempo tenha se esvaído tão rapidamente.

Permitamos que o nosso olhar vazio e vago, de nossa janela, perscrute o horizonte e a imaginação se deixe modelar aos sabor da brisa fria, solta, profunda, sem a pressa da volta...

Seja tão perfeito o silêncio ao redor de nós que o bater das asas da borboleta fugaz quase se faça ouvir. Se formos compelidos a algum barulho, malhemos com o algodão.

Empenhemo-nos a fruir, trazer de fora para dentro, a mais perfeita sensação de paz. Sugada, aspirada profundamente, de modo a perfumar o nosso interior. Silêncio. Silêncio só. Nós, apenas conosco. Paz, internamente.

Nessa contemplação introspectiva, incisiva e sincera, lavagem da alma, opção pelo branco e pelo alvo, pureza sim que o homem também pode copiar das crianças. Comecemos vagarosamente a passos silentes, comecemos a sair de nós.

Nesse primeiro avanço para fora de nosso interior, sem que o tenhamos talvez percebido, vamos constatar que Deus habitou em nosso coração durante o silêncio, naquela paz absoluta que só na presença e com presença dele se pode conceber. Mas por que então vamos dela sair? É justamente por inspiração divina. Ele, Deus, nos absorve por inteiro, pactuamos com Ele essa cumplicidade de amor e aí Ele nos inspira a sairmos de nós para uma direção definida. É a do próximo.

Clamem os homens por ordem e igualdade. Reúnam-se em quaisquer conclaves. O homem age, fala, grita e não convence. Se não convence é porque, no fundo, abstraiu de Deus e por isso não sabe quem é o seu semelhante. Essa a perda maior e total da humanidade. Desvencilhou-se o ser humano da ternura afável do Deus bom e amoroso e, nesse desenlace, não consegue enxergar e muito menos atingir a principal expressão de Deus na criação, o outro. Outro homem. O próximo.

Perdeu-se o homem. Não tem referencial. Não somos capazes de parar com um ancião. Sua conversa é vencida e seu linguajar ultrapassado. Tropeçamos nas crianças e suas peraltices nos irritam. Acotovelamo-nos nas ruas apinhadas e não nos vemos.

A continuidade com essa pretensa auto-valência, sem descer do elevado nada a que se guindou, o homem vai cair e, se não se recobrar a tempo, cair definitivamente...

Quem, sou eu? Sabe-se lá responder? A que vim e para onde vou?

De fato, dá pena do homem, de todos nós em comum e de cada um em particular. Somos muitos e não somamos. Nós nos perdemos...

Será esta crônica um relato para o encontro ou a denúncia do desaponto? Um alerta? Que o seja, pelo menos. Desesperança? Gostaríamos que não o fosse. Ideal plausível? Ah, isto sim. O ideal pode ser cultivado na terra fértil da promessa honesta. Uma esperança.

  

 

Comentários

Minudências

Bernardo Campos

Bernardo Campos

Jornalista e advogado. Alma de cronista, colhe impressões das pessoas, dos fatos e dos costumes. Daqui e do mundo.

Arquivo

16 dias atrás

Esperança

16 de abril de 2018

De mãos dadas

8 de abril de 2018

Que futuro nos aguarda?

3 de abril de 2018

No meu tempo ...

28 de março de 2018

Repeteco? Talvez.