Colunistas

Publicado: Domingo, 23 de abril de 2017

A dádiva da fé

2º. DOMINGO da PÁSCOA – 23.04.2017

Cor: branca – Liturgia do Ano “A”, de Mateus

Evangelho (João 20, 19-31)

...............................................................................................................................

“”    Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse:

“A paz esteja convosco”.

Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor.

Novamente, Jesus disse:

“A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”.

E depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse:

“Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”.

Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. Os outros discípulos contaram-lhe depois:

“Vimos o Senhor!”

Mas Tomé disse-lhes:

“Se eu não vir as marcas dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”.

Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa e Tomé estava com eles.

Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse:

“A paz esteja convosco”.

Depois disse a Tomé:

“Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo mas fiel”.

Tomé respondeu:

“Meu Senhor e meu Deus!”

Jesus lhe disse:

“Acreditaste porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”

Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos que não estão escritos neste livro.

Mas este foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o

Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.    “”

...............................................................................................................................

Num primeiro momento, talvez pareça que Tomé se inferiorizara perante os demais discípulos, no momento em que lhe contaram terem visto Jesus e ele, Tomé, descrente.

Mas Tomé, sim, incrédulo, ainda declarou que se ele não tocasse nas suas feridas, não iria acreditar.

Não tivesse sido Tomé o ausente, caberia a certeza de que qualquer dos outros discípulos iria acreditar de pronto, sem dúvida nenhuma? Afinal de contas, no Calvário Jesus ficara desfigurado por inteiro. Irreconhecível.

Mesmo assim Jesus, o acolhe e, no mesmo instante, exalta o mérito daqueles que nele acreditarem um dia mesmo sem ter presenciado o suplício a que fora submetido.

Resulta então, por obviedade até, que sejamos os adoradores de Jesus e assim os propagadores diretos de seus prodígios.

Digamo-lo também:

Meu Deus e meu Senhor!

                                                                                          João Paulo             

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

3 dias atrás

A dádiva da fé

18 dias atrás

Semana Santa

24 dias atrás

Lázaro, vem para fora

24 de março de 2017

É a hora