Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 4 de outubro de 2017

A lista de nomes

Dia destes, formou-se por si uma dessas rodinhas de bate-papo.

Pura coincidência, quando o Alberto e o Tomé foram vistos a conversar numa das esquinas. .

A eles achegaram-se mais, um de cada vez, o conhecido Tone, o Gildo e o Toninho. Engraçado que o Toninho e o Tone, ambos Antonio como nome de registro, só se distinguiam com as referências ao próprio apelido de cada um, ou seja Toninho um e Tone outro, sem possibilidade de engano ou troca.

Claro que a prosa esquentou. Era o assunto do dia.

Fica bem esclarecido, portanto, que não se tratava do banco do Tonilu na calçada já estreita nem das mesinhas externas da Senzala. Fora um encontro deveras casual, eis que esses dignos personagens não se encontravam habitualmente. Aconteceu.

E por que assunto do dia?

Ora, pelo fato extraordinário de que, consoante a mídia, Itu iria contar com o mais elevado contingente de candidatos a vereador, de todos os tempos. Proporcional e percentualmente, superava em muito o das cidades vizinhas. Estavam pois a discutir do porquê de tamanho interesse e, para quase todos, pareceu ser a vultosa remuneração programada a cada integrante da nova Câmara.

Um deles logo sobressaiu. Perguntou aos quatro demais amigos, porque nenhum do grupo se candidatara, já que eram vistos na cidade como pessoas absolutamente integras. Curiosamente, emendou, a gente critica, porém nem eu nem alguém de vocês se habilita.

Era o Gildo a fazer tal observação, tanto que saiu-se com uma novidade. Alegava que, mesmo em não serem eles também candidatos, que poderiam sim auxiliar muito os eleitores na sua decisão.

Os outros quatro falaram numa só voz: mas como?

Pensem bem.

Vamos nos reunir qualquer dia a qualquer hora.

Reunir? Para que, homem? Indagação outra vez unânime dos quatro.

O Gildo esclareceu.

Haveriam, pois, os cinco, de se encontrar no  escritório dele e perpassar nome a nome da lista imensa de candidatos. Desse exame cuidadoso, fariam uma relação de apenas15 nomes para cada cadeira, ali considerados por eles os mais indicados. Em ordem alfabética e ao inverso, para evitar qualquer sintoma de preferência entre os selecionados.

Tais nomes seriam dados à publicidade, como orientação opcional aos eleitores, feita bem claramente a ressalva de que os não relacionados não estavam sendo levados à conta de inadequação de espécie alguma. Mero ponto de vista dos cinco, portanto com todo respeito aos demais.

Passada uma semana a lista ficou pronta.

Chamados todos ao escritório do Gildo, no sábado à tarde, para confirmação e redação final.

E o Gildo começou a ler.

Justamente a essa altura da história, eu senti um delicado toque de dedos sobre o meu ombro, eu a dormir então a sono solto. Minha esposa me acordava porque, consoante o dizer dela, eu, de vez em quando, resmungava algumas palavras, mas ininteligíveis e sem concatenação.

Acordei então de vez.

Sentei-me na cama e ergui o travesseiro para nele recostar-me. E comecei a rir.

- Fala, fala, o que foi?

Expliquei então que eu fora interrompido de um sonho até interessante, mas logo no ponto crucial da história, o momento da revelação da lista de nomes.

                                                                                                                   (julho, 2012)

Comentários

Minudências

Bernardo Campos

Bernardo Campos

Jornalista e advogado. Alma de cronista, colhe impressões das pessoas, dos fatos e dos costumes. Daqui e do mundo.

Arquivo

14 dias atrás

A lista de nomes

23 dias atrás

Seja você

28 dias atrás

Desfaçatez

2 de setembro de 2017

Mero alô

27 de agosto de 2017

Os dias (hoje) são assim ...