Colunistas

Publicado: Sábado, 23 de março de 2019

Os párias

Os párias
Escultura "O Beijo da Morte", no cemitério Poblenou, Barcelona

Moscas. Vinham ao gosto de minha pele salobra. Cobriam suas cabeças com véus e prostravam zunidos orquestrados, numa mórbida adoração. Uma melodia sem maestro, porém perturbadoramente coordenada. Se, por um lado, invejavam sinfônicas, por outro pareciam desconhecer as partituras, uma vez que pousavam umas sobre as outras, transpirando desrespeito e egoísmo. As anciãs, que morreriam ao amanhecer, escolhiam sobrevoar observação em vestidos resignados com o futuro. Seriam esquecidas mais rápido do que seus pais. Substituídas. Enquanto isso, noutra parte do meu corpo um mosquedo tímido recebia aventureiras e novatas sem questionar, pois o cenário era pouco atraente já que a ferida era menor. Entretanto, esta impressão de escassez favorecia a subsistência das jovens. Embora sobrevivendo em colônias diferentes compartilhavam, silenciosas, do mesmo destino; alimentavam-se de seus amanhãs. E cuidavam para que as recém-nascidas experimentassem a temperatura de minha pele, pálida e escorregadia.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

3 dias atrás

Os párias

8 dias atrás

Terra baixa

27 de dezembro de 2018

Bebê a bordo

18 de dezembro de 2018

A Vassoura e o Chinelo

8 de outubro de 2018

Eles Sabiam de Tudo