Colunistas

Publicado: Domingo, 5 de maio de 2019

As chaves

As chaves
Balzac, escultura de Rodin

Assim que foram juntadas, a anciã notou a insatisfação da mais jovem. Foram apertadas, as duas peças, na morsa. A matriz, já gasta do tempo, porém perfeita à sua finalidade ainda depois desses anos todos, já estava acostumada com os mordentes; dela copiaram a sina de muitas outras que se perderam no caminho, vítimas do zelo deformado de seu tutor. Agora, mais uma lhe sairia à imagem e semelhança, porém isso a deixou de inspirar com o tempo. "Oi, velha... Até que enfim poderás descansar, né? Esse povo é muito ingênuo, afinal, na sua idade nem deverias estar por aqui ainda, Deus que me perdoe!", foi caçoando a moça num monólogo melindroso que se iniciara há alguns minutos com "acidentais" cotoveladas. Enquanto o chaveiro deslizava a lima murça no acabamento, ela aproveitou para uma última provocação: "Cada qual tem seu tempo, senhora, mas fique tranquila que a honrarei na difícil lida de abrir sempre a mesma fechadura", completou sarcástica. Fora da prensa, a velha foi guardada no cofre.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

14 dias atrás

As chaves

11 de abril de 2019

"Desculpe-me"

30 de março de 2019

Utilidade Pública

23 de março de 2019

Os párias

18 de março de 2019

Terra baixa