Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Um gole seco

Um gole seco
Escultura de Derek Kinzett

Selada pela garoa cinza e as gotículas se conectando no para-brisas, sua boca descolou quando a viu desfilar entre os carros parados no congestionamento; o cabelo fatiado no rosto e os olhos adocicados foram hipnose à primeira vista. Ele baixou o vidro, então sua língua submergiu aspirando o desejo ácido e lambendo palavras doces tais qual a amora mais escura, mas a moça só fazia sorrir sem mostrar os dentes e balançar a cabeça feito alegoria no painel de taxista. No braço fino e sujo ela tinha desde balinhas de eucalipto até chocolate suíço. Quando ele colocou epílogo na voz que trazia pouca prosa e muita poesia, ela emendou atropelando o ponto final: "É três pelo preço de um", disse, ignorando os galanteios. Ele também fingiu surdez, fechou os olhos e soprou outra ode desafinada como um boêmio seresteiro. Ela aproveitou para sair silenciosa. Quando o cabra abriu os olhos, viu-se só, cessou a cantoria e umedeceu a soberba carne de seus lábios suavemente para levar saliva goela abaixo.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

15 dias atrás

Um gole seco

25 dias atrás

reservado

25 de maio de 2017

O velório do farmacêutico

28 de março de 2017

O colecionador

8 de janeiro de 2017

Árvore de Natal