Colunistas

Publicado: Terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Uma nova Cinderela

O dia era de festa. A noiva estava linda em seu exuberante vestido branco e o noivo deslumbrado diante daquela que estava se tornando sua mulher.

Só Clarita estava triste. Quase tão triste quanto no dia em que naquela mesma igreja despedia-se para sempre de sua mãe.

Naquele dia todos estavam tristes, o pai segurou sua mão o tempo todo e ela se sentiu acolhida, protegida, parecia-lhe que todos estavam solidários com a sua dor e isto tornava o sofrimento mais suportável.

Mas, agora, não.

Todos sorriam, comemoravam o casamento de seu pai, comentavam a beleza e a bondade da Natacha e a felicidade dele poder reconstituir sua vida com uma moça tão especial.

Ninguém reparava nela, Clarita, ninguém sabia o quanto ela estava sofrendo vendo seu pai levar para sua casa aquela mulher, uma madrasta!

Enquanto os noivos beijavam-se diante do altar, ela, revoltada, destilava um ódio violento e um desejo de que a madrasta também morresse, como sua mãe tinha morrido.
Mas, ela era tão jovem e saudável, era bem capaz de viver décadas e mais décadas para tormento da Clarita.

Uma ideia sinistra começou a tomar corpo dentro dela.

Ela ia apressar as coisas. Ia matar a intrusa.

Mas, como faria isso?

Não teria coragem de dar-lhe um tiro, muito menos uma facada. O ideal seria provocar um acidente, mas, como?

Acabou decidindo-se pelo envenenamento. Parecia mais fácil.

Não foi difícil comprar um veneno para ratos. O vendedor alertou-a para que tivesse muito cuidado, pois se tratava de uma droga violenta. Tentou até convencê-la de que uma ratoeira seria mais seguro, mas ela insistiu e acabou levando uma latinha com o pozinho letal.

Escondeu-o no fundo de sua gaveta e ficou esperando uma oportunidade para fazer com que a outra o engolisse.

Engraçado, ela tinha desejado tanto cometer aquele crime, mas, agora que tinha a arma na mão sentia-se um tanto assustada e não sabia o que fazer para concretizar o seu plano.

Passaram-se alguns meses. Chegou o final do ano e seus colegas de escola estavam planejando a festa de encerramento das aulas.

Todas suas amigas estavam escolhendo os vestidos que usariam no evento e ela foi à “Butique da Lurdes” e escolheu um lindo vestido cor de rosa.

Experimentou, ficou ótimo. Agora era só pedir o dinheiro para o pai e ir buscá-lo.

Mas, quando à mesa do jantar ela abordou o assunto o pai disse-lhe que não via necessidade de comprar um vestido, que ela já tinha muita roupa.

O pai não era mau, era carinhoso, alegre, presente, mas, digamos, um pouco “econômico” demais.

Sua mãe sempre dava um jeitinho de economizar no supermercado para comprar um tecido barato e confeccionar ela mesma um vestidinho novo para a filha, mas agora ela não tinha mais a mãe, só tinha a madrasta que não se importava com ela, só queria roubar-lhe toda a atenção do pai.

E Clarita culpava a madrasta por todas suas frustrações e cada vez mais desejava vê-la morta, mas não tinha coragem de concretizar seu plano sinistro.

Naquela manhã, mais uma vez, na escola ouviu os comentários alegres dos colegas e sofreu a sua frustração.

Chegando em casa, fechou-se no quarto dizendo que estava indisposta.

Momentos depois a madrasta bateu de leva na porta.

- Entre! – disse mal humorada.

A outra adentrou-lhe o quarto sorridente com um pacote na mão:

- Um presente para você!

Clarita não podia acreditar. Ali estava o cobiçado vestido cor de rosa.

- Como foi que você adivinhou qual vestido que eu queria?

- Ora, perguntei para a Lurdes. Experimente. Se gostar é seu.

- Mas, e o Papai...

Sorriu, piscando maliciosa:

- Deixe comigo...

Clarita não podia acreditar no que ouvia. A bruxa estava fazendo pela Cinderela o que nem a sua própria mãe teria coragem de fazer.

Natacha continuava:

- O seu pai ganha pouco e tem muito medo de que nos falte algo realmente necessário. Às vezes exagera, mas é pensando na segurança da família. Eu arranjei um emprego de meio período. Não vou ganhar muito, mas vai dar para comprarmos as nossas coisinhas sem abalar o orçamento doméstico.

Clarita estava emocionada. Será que estava sonhando?

- Posso dar-lhe um abraço?

Natacha nunca soube o que aquele amplexo representou para Clarita...

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida