Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Uma Inesquecível Noite de Natal

Vinte e quatro de dezembro. 7 horas da noite. Correria para as últimas providências para a ceia.
 
Letícia corre – corre entre o forno onde assa o peru, a mesa onde monta os canapés e os meninos que peralteiam a sua volta.
 
Olha para fora e vê que se aproxima um temporal. Já começa até a ventar e, então, lembra-se de que falta comprar umas coisinhas de última hora no supermercado a duas quadras de sua casa.
 
Sai apressada, quase correndo, pensando em ir e vir antes que a chuva caia, mas...
 
De repente vê a beira da calçada, em cima de um monte de caixas vazias, uma em que he pareceu ter alguma coisa viva dentro.
 
Pensou que fosse um cachorrinho ou um gatinho abandonado, aproximou-se e, qual não foi o seu espanto ao ver que era uma criança, que estava ali dentro, um bebê recém-nascido, bem embrulhadinho, parecendo ter acabado de sair da maternidade.
 
Ficou atônita, sem saber o que fazer. A rua estava deserta. Nesta nossa era de muros altos e portões fechados, nenhum sinal de vida nas casas ao redor.
 
A chuva começou a cair pesada acompanhada de vento forte, raios e até granizo e ela, apavorada, pegou a caixa e voltou correndo para casa.
 
Entrou transtornada e o marido brincou com ela:
- A chuva foi mais rápida do que você?
 
Colocou a caixa sobre uma cadeira e tirou o bebê que chorava.
Foi a vez dele se assustar:
- Mas, que significa isso?
 
Ela contou atabalhoadamente o que acontecera e perguntou:
- E agora? O que vamos fazer?
 
Mais calmo, ele respondeu:
- A primeira coisa e trocar a roupa dele. Se não vai ficar doente assim todo molhado da chuva.
 
Não tinham roupa de bebê em casa. O caçula já tinha quatro anos, mas foi com uma camiseta dele e uma toalha de banho que ela acabou agasalhando o bebe.
 
Enquanto trocava a camiseta, deu uma espiadinha e sorriu para o marido:
- É uma menina!
 
Eles tinham dois garotos e estavam pensando em completar a família no próximo ano, se possível, com uma menina, mas não pensavam em adotar.
 
O bebê chorava e ela achou que ele estava com fome, mas, como alimentá-lo?
 
O garotinho menor sugeriu:
- Dá uma bolachinha pra ela
 
O maiorzinho caçoou:
- Imagine se um bebê desses come bolacha! É melhor uma banana raspadinha.
 
Letícia resolveu o problema. Telefonou para a farmácia e pediu para mandarem, com urgência, uma mamadeira, uma lata de leite e um pacote de fraldas.
 
E agora? Que será que a gente faz numa situação dessas? Será que este caso é da alçada da polícia? Do juizado de menores? Do conselho tutelar?
 
Não se lembravam de ter visto, alguma vez, algo parecido com:
SE VOCÊ ENCONTRAR UM BEBÊ ABANDONADO, DIRIJA-SE A TAL INSTITUIÇÃO OU TELEFONE PARA TAL NÚMERO.
 
Véspera de Natal, já noite, será que estão trabalhando a estas horas?
 
Celso, o marido, disse:
- Eu acho que é com a polícia. Vou ligar pra lá, se não for eles me informam.
 
Antes que ele pegasse, o telefone tocou. Era Mariana, sua irmã que queria falar com a Letícia. A família toda se reuniria dali a pouco para a festa de Natal.
 
Letícia atende apressada e distraída:
-Sim!
-Sei!
-Certo!
-Levo!
 
Desliga e pensa:
- Que foi mesmo que ela disse? Não consegui prestar atenção!
 
E volta-se para a bebezinha que, barriguinha cheia, dormia tranquilamente na sua cama.
 
E pensa:
- Ela parece tão feliz! Não lembra do que passou nem pensa no que passará ainda. Para ela só existe o momento presente que é de paz e tranqüilidade. Por que será que a gente não consegue ser assim, também?
 
Celso está no telefone:
- É da polícia? Minha mulher encontrou um bebe abandonado na rua. Trouxemos para casa e eu queria saber o que devemos fazer...
- Trote?!! Você acha que não tenho nada melhor para fazer num dia como hoje?
 
Desliga e comenta:
- Perguntou se não era trote. Disse que, se fosse, eu ia me arrepender. Imagine só!
 
Meia hora depois o telefone toca novamente:
Era da polícia. Queria confirmar a denúncia e pedir mais alguns dados. Eles d
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida