Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Uma festa muito especial

Eric estava fazendo cinco anos e a Mamãe preparou uma festa, diferente de todas as outras já então realizadas ou que ainda aconteceriam no futuro.
 
Convidou a família toda, primos, tios, tios-avós, avós e até a velha bisavó, além dos amiguinhos, vizinhos, etc.
 
O vovô, na churrasqueira, esmerou-se em preparar o melhor churrasco, aquele especial, que só ele sabe fazer e servir aos convidados sentados a volta da grande mesa rústica, atendendo às exigências de cada um:
- Uma lingüicinha bem passada.
- Uma picanha gordinha, mal passada.
- Para mim, no ponto!
 
Entre os goles de cerveja ou coca cola, as lascas de carne fumegante, a conversa rolou solta, política, futebol, gracinha das crianças, problemas dos jovens, as ultima novidades, quem nasceu, quem morreu, quem casou, quem separou, etc. etc.
 
A criançada lotando a casa toda, se espalhando pelo quintal, escapando para a rua e invadindo o quintal dos vizinhos em busca da bola extraviada... Vez por outra se aproximavam da mesa para pegar um brigadeiro ou um espetinho de coração que saiam comendo, derrubando no chão, pisando em cima.
 
Brincadeiras, gritaria e protestos:
- Mãe! Olha o Nic. brigando com a Sue!
- Tia venha ver o que o Nic está fazendo.
- A Mãe do Nic grita a todos os pulmões, tentando ser ouvida acima do barulhão sem levantar da cadeira:
- Niiiiic! Para com iiiisso!
 
É claro que ele não pára e o Pai, com toda sua autoridade, berra, lá da mesa, sem largar o copo:
- Nic! Se você não tomar jeito vai pro castigo!
A Sue chega chorando e a Mãe reclama:
- O Nic é muito briguento!
 
E a Mãe do Nic defende:
- A Sue também não é nenhum anjinho. Provoca os meninos e acaba apanhando.
 
A Vovó intervém conciliadora:
- Vamos apagar as velinhas do bolo e cantar Parabéns!
 
Todos se aproximam da mesa. O Eric apaga solenemente as velinhas e sorri para o Papai que está a sua frente com a câmara fotográfica. Uma pose com a Mamãe, outra com os avós... Chamam a Bisa que reluta um pouco, (não gosta de ser fotografada) mas levanta-se, manquitolando, para uma pose com o bisnetinho (ninguém diz isso, mas todos pensam: “pode ser a sua última foto...”)
 
Finalmente, o bolo é servido e a festa está terminada.
A criançada dispersa-se, os adultos se despedem e um silêncio abençoado desce sobre a casa terrivelmente desarrumada, como se um furacão tivesse passado por lá.
 
O Papai exclama:
- Que confusão!
 
A Mamãe reclama:
- Que criançada sem educação!
 
A empregada protesta:
- Sujaram o sofá... entupiram o sanitário... Quebraram a samambaia...
 
Mas, afinal, dirão, por que foi, esta, uma Festa Especial? Por acaso não foi ela exatamente igual a todas as outras festas infantis?
- Ora, porque foi o quinto aniversário do Eric. Nunca mais, em toda a sua vida, ele vai fazer cinco anos...!
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida