Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 9 de junho de 2010

Um peixe fora d'água

Um peixe fora d'água

Essa é do meu tempo nos Drs. da Alegria:

Entramos no quarto de um menino conhecido nosso. Ele tinha cinco ou seis anos e nos recebeu muito cabisbaixo, com desinteresse e uma tristeza quase profunda. Logo, sua mãe veio falar conosco.

- Vocês não sabem: lembram quando vocês vieram aqui e deixaram aquele peixinho em baixo do cobertor dele?

- Claro, aquele cobertor azul, lembro bem.

- Pois é, ele ficou louco da vida por que não encontrou o peixinho. Fez escândalo, chorou, dizia que o peixe estava lá por que o palhaço tinha colocado e pronto. Não havia jeito de fazê-lo entender que era só uma brincadeira de vocês. Agora vocês precisam resolver isso, ele quer por que quer o tal peixinho. Não sei como vocês vão fazer.

Enquanto a aflita mãe falava, uma enfermeira de passagem pelo corredor, aproximou-se. Ouviu o relato e, sem dizer palavra, olhou-nos com ares interrogativos. - A gente sabe, fiquem tranqüilas, vocês devem ter procurado muito mal. Fui eu mesmo quem coloquei o peixinho lá. Vou encontrá-lo, deixem comigo.

Na semana anterior retiramos um peixe da jarra d’água que ficava numa mesa ao lado da cama da criança. O menino perguntou-nos, preocupadíssimo com o destino do peixe, o que faríamos para mantê-lo vivo agora que estava fora da água. A Dra. Zuzu respondeu de bate pronto:

- Vamos colocá-lo no mar.

O menino não conseguiu esconder seu espanto; esperava algumas explicações: Qual mar? Onde? Como?

A Dra. Zuzu levou o peixe que estava em suas mãos em direção ao cobertor azul que cobria a cama do garoto. Fez alguns movimentos com as mãos e, zaz!!: o peixe havia sumido dentro do cobertor azul. Estava de volta ao mar.

O menino olhou para o cobertor azul e pareceu aprovar a idéia do lindo mar azul.

Agora o peixe tinha sumido. A dra Zuzu tomou a frente:

- Sabe o que eu acho?

O menino fez que não com a cabeça. A mãe e a enfermeira acompanhavam do batente da porta.

- Ele deve ter ido nadar numa lagoa perto daqui.

 Duvidei um pouco da explicação simplória de minha parceira, mas, o menino não.

- Acho que ele foi nadar com seu pai e sua mãe!

E antes que tivéssemos tempo de concordar com a versão do garoto, ele continuou:

- O pai dele é bem grande e é azul. A sua mãe é menorzinha, mas é cor de rosa. Eles foram voando para uma lagoa perto daqui.

Eu e minha parceira, sentados na beirada da cama, ouvíamos a estória que o garoto nos contava com tanta empolgação. O garoto descrevia a família do peixinho com tantos detalhes fantásticos que a Dra. Zuzu sugeriu que ele desenhasse a turma toda numa folha de papel. O garoto, imediatamente, se pôs de joelhos diante da folha de papel com todos os seus lápis coloridos. Em pouco tempo, lá estavam todos: o seu peixe, seu pai mais azul ainda, sua mãe cor de rosa e um mundo encantado cheio de cores, cavalos marinhos e monstros do mar.

A mãe e a enfermeira, encostadas no batente da porta, admiravam a capacidade criativa da criança. A cena foi toda dele.

Terminada sua apresentação, passou a recolher seus desenhos, guardar seus lápis coloridos e arrumar o cobertor azul sobre a cama de modo a não deixar um vinco sequer.

Acompanhou-nos até a porta de seu quarto e nos despachou:

- Boa viagem. E tomem cuidado.

Acenou com a mão e voltou para dentro do seu quarto com seu desenho-mágico cuidadosamente seguro pelas pontas de seus dedos. Atrás dele seguiu sua mãe satisfeita.

Eu não sabia exatamente a qual tipo de cuidado o menino se referia, mas achei prudente ficar atento. A enfermeira veio atrás de nós e nos deu uma dica:

- Vocês precisam saber onde colocam as coisas que deixam com as crianças, senão elas ficam desesperadas e a gente nem consegue trabalhar. Passamos o tempo todo procurando peixinho, vaquinha, macaquinho. Ninguém merece... Vocês vão embora e quem fica com o abacaxi somos nós.

Eu não sabia se pedia desculpas ou se fazia uma piada. Não fiz nem um nem outro. Não tive tempo. A enfermeira era muito veloz, disparou apressada e logo sumiu.

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV