Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Um amor sem medidas

Meados, praticamente, de setembro, mês da Bíblia. Muito a propósito pois que, por cultuar-se o livro dos livros, a liturgia tenha escolhido passagem tão especialmente sublime para hoje, dia 12.

Lucas no-la oferece na abertura do capítulo 15, com os versículos de 1 a 32 ou, se preferência houver, de 1 ao 10.

*   *   *   *   *

“” Naquele tempo, os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. Os fariseus porém,  e os mestres da lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”.

Então, Jesus contou-lhes esta parábola:

“Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto e vai atrás daquela que se perdeu até encontrá-la? Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’ Eu vos digo, assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão. E, se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente até encontrá-la? Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrai-vos comigo. Encontrei a moeda que tinha perdido!’ Por isso eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”

E Jesus continou: “Um homem tinha dois filhos. O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu a herança entre eles. Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. Então foi pedir trabalho a um  homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isso lhe davam. Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra Deus e contra ti, já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.

Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avisou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’. Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandália nos pés. Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’.

E começaram a festa.

O filho mais velho estava  no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. O criado respondeu: ‘É teu irmão que  voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.

Mas ele ficou com raiva e não querida entrar. O pai, saindo, insistia com ele. Ele porém respondeu ao pai: ‘Eu trabalhei para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.

Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’”.  “”

*   *   *   *   *

Página de destaque nos evangelhos, um clássico da Bíblia, a parábola do filho pródigo dá a conta da dimensão do amor de Deus para com a criatura: incomensurável.

Verdadeiramente, a misericórdia divina é sem medidas e ante o arrependimento sincero esquece qualquer passado do pecador. Vai mais longe, faz o Pai alegrar-se e dizer que os céus se contagiam de felicidade quando o penitente acena com o desejo de volta. Esta, em suma, das mais primorosas lições do perdão.

Se convida ao homem comum, fraco, pequeno e pecador, que assim também proceda, chega-se logo à limitação do coração humano. Muito dificilmente em termos de relação meramente humano, chegue o homem a grau tamanho de amor. Dificil. Muito difícil.

Ter-se-á entao por apenas cena bonita a parábola do filho que volta?

Certamente que não. É hora entao de, jamais com a pretensão do nível de amor de Deus, mas encorajado e animado pela misericórdia dele, é sim possível reatar quantas inimizades ou mal entendidos haja entre pessoas comuns.

A propósito, a vida e a experiência, que se contam por aí, asseveram que, tanto quanto qualquer pessoa se disponha a reatar com alguém, a oportunidade desse feito acontece, cedo ou tarde. Daí, no reencontro, vai-se viver algo parecido, mesmo que distante ainda, da alegria do genitor do filho que, arruinado e injusto, mesmo assim foi acolhido. Refazer uma amizade causa alegria e que ninguem se peje de contar aos outros o quanto isso alivia o espírito.

O texto fala por si. Exalça a inesgotável bondade de Deus. Demonstra quanto vale o arrependimento autêntico, aperfeiçoado no propósito de emenda total. E que nunca haja desespero nem se duvide de que Deus quer a todos de volta, por ínvios os caminhos a que o erro possa levar as pessoas.

Seus braços – os de Deus - se abrem pressurosos ao menor sinal do desejo da volta.

                                                                                                                                             João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio