Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Troca de Favores

Quando Eduardo foi candidato a prefeito de sua cidade, estava imbuído das melhores intenções. Não ia deixar-se corromper. Ia ser um político correto para lavar a fama dos que o tinham antecedido.
  
Mas, durante a campanha já viu que ia ser difícil perseverar em seus bons propósitos. Mentir, prometer coisas impossíveis fazia parte do chavão de todos os candidatos e ele tinha que fazer a sua campanha se quisesse ganhar a eleição.
  
E prometeu, aumentar as vagas nas escolas municipais, melhorar o atendimento nos postos de saúde, construir casas populares, criar um sistema miraculoso onde todos fossem bem sucedidos e tornar a sua cidade, num passe de mágica, uma das principais cidades do Estado.
  
Eduardo foi eleito e começou o seu mandato.
  
Precisava nomear as pessoas que ocupariam os cargos de confiança, todos da sua família, é claro. Teve até que criar mais alguns cargos porque não podia deixar de empregar a irmã de seu cunhado que ajudou tanto na campanha e o primo Emílio, coitado, que acabara de sair da cadeia e ia ter dificuldade de encontrar trabalho.
  
Não era muito certo o que fazia, mas era por uma boa causa, justificava-se.
  
E começaram a aparecer os amigos. Todo mundo, de repente, era seu amigo do peito.
  
- Você não se lembra de mim? Estudamos juntos no primário.
  
- Freqüentávamos o mesmo clube.
  
- Minha avó era amiga da sua.
  
- Quando você namorava a Mirna, eu namorava a Mirtes, irmã dela.
  
Eduardo mal se lembrava da Mirna, imagine se ia recordar-se da irmã dela e de quem era o seu namorado.
  
E todos tinham pedidos para fazer.
  
Queriam uma vaga que estava sendo disputada por concurso:
 
- O concurso é muito concorrido, eu não teria chance, você podia me quebrar esse galho, incluir-me entre os aprovados.
  
Um lugar na escola cujas vagas eram insuficientes para a procura e procedia-se a um sorteio:
 
- Você não daria um jeitinho de me arranjar uma vaga na escola para meu filho, por fora do sorteio?
 
- Poderia me perdoar as dívidas atrasadas de IPTU?
 
- Regularizar uma construção clandestina?
 
- Doar-me uma nesga de terreno do município que fica junto a minha casa?
  
E por ai afora. Superestimavam a sua capacidade de resolver problemas e fazer favores.
  
Tudo por conta de velhas amizades reais ou fictícias.
  
Eduardo não podia nem queria atender a tantas solicitações, mas também não queria desgostar os munícipes e acabava enrolando, prometendo e não fazendo nada.
  
Dr. Sampaio, o Delegado de Polícia, procurou pelo Eduardo.
  
Queria que ele mandasse asfaltar a Estradinha do Barro Liso onde ele possuía uma chacarazinha.
  
Era um absurdo! A estrada era erma. A única propriedade de algum valor era a chácara do Delegado e havia estradas mais movimentadas que ainda não tinham sido asfaltadas, outras precisavam de recapeamento.
  
Não! Ele não podia atender o Doutor, mas não disse isso a ele. Pôs panos quentes:
 
- Vou fazer o possível.
  
- Mas, será para logo?
  
- O mais breve possível, Doutor!
  
O Delegado insistia:
 
- Você não vai autorizar o serviço?
  
- Vou! Claro que vou, mas ainda não deu.
  
- Precisa asfaltar antes das chuvas. Com o tempo chuvoso não há quem consiga transitar por ali. Eu fico impossibilitado de ir a minha chácara. Isto é um absurdo.
  
- Também acho. O senhor tem toda a razão. Vou providenciar.
  
Mas não providenciava nada.
  
Uma noite, já pela madrugada, Eduardo levou um susto. O telefone tocou avisando que seu filho Dudu estava detido na Delegacia de Polícia. Tinha provocado um acidente com o carro.
  
Chegando lá, Eduardo tomou conhecimento de que pesava sobre ele várias acusações: dirigir sem habilitação, excesso de velocidade, atropelamento, omissão de socorro, fuga...
  
Eduardo ficou desesperado e telefonou para o Dr. Sampaio.
  
O delegado atendeu com a voz sonolenta:
 
- Tem um plantão na delegacia. Ele está apto a resolver.
  
- Mas doutor, aqui é Eduardo, o Prefeito...
  
- Oh! Desculpe! Não reconheci sua voz. É claro que vou imediatamente. Fique tranqüilo que nada vai acontecer ao garoto.
  
E... A propósito... quanto àquele outro assunto...
  
- Já estamos com tudo agendado. Amanhã mesmo começa o serviço.
  
E assim, o Dudú se safou de boa e a Estradinha do Barro Liso foi asfaltada.
  
Troca de favores!
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida