Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

Tratado da Gratidão

Segundo o dicionário Hoauiss, a palavra "gratidão" é um substantivo feminino que significa a "qualidade de quem é grato" ou o "reconhecimento de uma pessoa por alguém que lhe prestou um benefício, um auxílio, um favor etc.". É uma forma de mostrar "agradecimento". A palavra vem do latim "gratus" e quer dizer "agradável, delicioso; agradecido, reconhecido".

Há muitas frases sobre a gratidão, umas mais belas que as outras. Por exemplo: "Escreva suas mágoas na areia e sua gratidão na rocha"; "Gratidão é uma linguagem que o mudo pode falar e que o surdo pode escutar e entender". O filósofo grego Cícero afirmava ser a gratidão não só a maior de todas as virtudes, mas a origem de todas as outras.

Como podemos perceber, a gratidão é um sentimento amplamente discutido e pensado através dos tempos, por várias mentes brilhantes. Infelizmente, parte da humanidade insiste em não praticar virtude alguma, quanto mais essa. De fato, Albert Einstein costumava dizer: "Há duas coisas infinitas: o universo e a burrice dos homens".

Felizmente, nem tudo está perdido e outra boa parte da humanidade continua de coração aberto às necessidades do próximo. São milhões de pessoas pelo mundo, abraçando milhares de causas. Quando vamos fazer uma boa ação, não devemos esperar nada em troca. Nem reconhecimento e nem medalhas. Nem lucros e nem bajulações. Não devemos esperar sequer um "obrigado". Mas isso não quer dizer que as pessoas estão desobrigadas de serem gratas umas com as outras e de manifestar essa gratidão, em público ou reservadamente.

Mostrar gratidão por alguém não custa dinheiro. É algo que brota do coração naturalmente.Dizer ao outro que se é grato por qualquer coisa, é antes de tudo uma prova de humildade. Assim como é necessário ser humilde para reconhecer as próprias limitações e pedir ajuda, o ser humano também tem que ser humilde para manifestar sua gratidão.

Para ser grato é preciso deixar o orgulho de lado, exercício que muitos ainda insistem em não praticar. Os orgulhosos nunca são gratos a ninguém. Não dizem obrigado, nem em particular e quanto menos em público. Agem como se a ajuda que lhes prestamos fosse nada mais do que a nossa obrigação. Quando finalmente nos mostramos magoados com sua insensibilidade, acham muito ruim.

Com o objetivo de incentivar a prática de ser grato, fica instituído aqui este Tratado da Gratidão, constituído pelas regras a seguir:

Parágrafo 1o - Todos os que receberem um favor ou qualquer tipo de ajuda ou benefício, estão obrigados a demonstrar a sua gratidão ao agente do auxílio em questão.

Parágrafo 2o - Não será permitido ser ingrato com os ingratos. Ao contrário, deve-se demonstrar gratidão para com estes, por serem um bom exemplo do que não devemos seguir em nossas próprias vidas.

Parágrafo 3o - Ficam revogadas todas as disposições em contrário.

Parágrafo 4o - Este Tratado passa a vigorar a partir da data de sua publicação.

O Tratado da Gratidão deve ser colocado em prática por todos. Seja na vida pessoal, na liderança de alguma entidade ou à frente de algum serviço pastoral da nossa Igreja, qualquer pessoa pode segui-lo. Basta livrar-se do orgulho e da prepotência. Demonstrar gratidão não rebaixa, não desqualifica e nem tira a autoridade de ninguém.

Amém.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é diácono transitório na Diocese de Jundiaí (SP) e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo