Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 6 de abril de 2016

Todos os cachorros são azuis

Todos os cachorros são azuis
Obra de Rodrigo de Souza Leão

O pequeno jardim da praça, cercado de tijolinhos enterrados até o peito, não tinha somente os últimos exemplares das espécies de flores em processo de extinção, mas também o único registro contemporâneo das cores. Para o local viajava gente de todo o mundo na esperança de se deleitar com o vermelho das rosas, o branco do copo de leite e o degradê da orquídea. A mulher sentou na ponta do concorrido banquinho de madeira e tremeu de emoção. No caminho até ali os ladrilhos tinham a mesma cor do gramado... As pessoas e suas roupas, as árvores, os postes, as faixas para pedestres, os letreiros das lojas, a ambulância, a bandeira do orgulho gay, os produtos nas prateleiras do supermercado, os prédios, a bola de basquete, o café; tudo tinha absolutamente a mesma pigmentação. Ela passou o dia espremida naquele cantinho, quase não piscava. À noite, sonhou furta-cor. Hoje logo de manhã bateu em sua porta o recenseador: "A Sra. se define como 'branca', 'preta', 'amarela', 'parda', ou 'indígena'?".

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

8 de outubro de 2018

Eles Sabiam de Tudo

5 de outubro de 2018

Urna Funerária

8 de agosto de 2018

Estrada

9 de julho de 2018

A ditadura do aroma

28 de maio de 2018

La Ciudadela