Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 25 de maio de 2015

Todos e cada um

Todos e cada um

 

 

PENTESCOSTES

Domingo, 24.05.2015

Evangelho (João, 7, 37-39)

...............................................................................................................................

“”    No último dia da festa, o dia mais solene, Jesus, em pé, proclamou em voz alta.:

Se alguém tem sede, venha a mim e beba.

Aquele que, crê mim, conforme diz a Escritura, rios de água viva jorrarão de seu interior”.

Jesus falava do Espírito, que deviam receber os que tivessem fé nele; pois ainda não sido dado o Espírito, porque Jesus ainda não tinha sido glorificado.   

“”

...............................................................................................................................

Curiosamente, na prática, sempre ou quase, em termos de espiritualidade, a maioria se dirige a Deus, num plano individualizado. Deus e você, você e Deus.

Assente o foco desta breve meditação num dado central que o evangelho de hoje está a inspirar.

É a de que o amor a Deus e o amor de Deus para conosco, não se configura apenas no restrito sistema de ir e vir. A expansão desse amor passa obrigatoriamente pela pessoa do semelhante, dos outros, do próximo.

É tão verdade que os fiéis, estes por si mesmos, terão a oportunidade de fazerem-se fontes transmissoras do amor de Deus na direção dos demais que com elas convivam e delas sofram influência.

O exercício pleno da espiritualidade passa como condição “sine qua non” pela pessoa do próximo. Fato inadiável, fato inescapável, verdade insofismável.

Sem que se as condenem, quantas almas vida a fora se ajoelham em casa e nos templos em preces e adoração sinceras sem dúvida, mas fecham-se em si mesmas e só.

Embora seja apenas um dito popular, é crível e aceitável o fato de que ninguém se salva sozinho. Numa força de expressão, apenas exemplificativamente, seria de dizer que só se chega aos céus de mãos dadas com alguém.

Cada fiel, cada pessoa, cada ser humano, cada filho de Deus, crente e firme na sua fé, se ajoelha diante da Divindade, mas se levanta depois para despejar pelas ruas da vida águas colhidas nas fontes do Salvador.

É pensar muito sobre essa mensagem central do Divino Espírito.

É o sair de si.

Todos e cada um.

                                                                                            João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio