Colunistas

Publicado: Sábado, 17 de maio de 2014

Tempos saudosos

 

V DOMINGO DA PÁSCOA

Maio, 18, 2014 – Liturgia: Ano “A”

Evangelho (João, 14, 7-14)

.......................................................................................................................................................

“”   Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:

“Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”.

Disse Felipe:

“Senhor, mostra-nos o Pai. Isso nos basta!”

Jesus respondeu:

“Há tanto tempo estou convosco e não me conheces, Felipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ’Mostra-nos o Pai´? Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo,  mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. Acreditai-me, eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos  por causa dessas mesmas obras. Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará as obras que eu faço e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei”.

.........................................................................................................................................................

Este evangelho, como tantos outros em diversas semanas, tem sua continuação imediata a partir do versículo 15, deste mesmo capítulo 14. Lá, Jesus faz menção expressa ao Espírito Santo.

Hoje, ou até dentro destes primeiros catorze versículos, suas palavras o prendem sempre ao Pai, unificados, na divindade única.

Por isso mesmo, só com a continuidade na semana vindoura, as afirmações se tornam completamente claras e inteligíveis.

Daí então serem suas expressões repetitivas à exaustão, desde o pedido de Felipe, a dizer-se Ele, Jesus, a estar no Pai e o Pai nele.

Pai, Filho e Espírito Santo, três pessoas na Trindade Una e Santa, numa tríade indivisível, milagre inalcançado à compreensão comum dos homens, mas autêntica e verdadeira.

É assim que se canta - ou se cantava até regularmente – no “Tantum Ergo”, Tão Sublime Sacramento, nas outrora costumeiras bênçãos dos sábados à tarde, mais precisamente ao cair da noite.

Tempos saudosos!

                                                                           João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio