Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 7 de abril de 2010

Tem um gnomo no telhado

Tem um gnomo no telhado

Fiz parte do elenco de palhaços dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Foram cinco anos de trabalho e uma infinidade de histórias. De vez em quando, nos momentos mais insólitos, essas histórias me aparecem como se fossem fragmentos de um desses raros filmes que a gente assiste no cinema e nunca mais esquece.

Os palhaços Emily e Cizar Parker visitavam o quarto de uma criança de seis anos. Preparavam-se para uma partida de vôlei. Emily e Cizar prendiam no alto da parede as pontas de uma tira de papel higiênico. Era a rede.

Enquanto Emily prendia a sua ponta do papel higiênico próximo à janela, reconheceu o prédio onde morava Davi, um amigo comum aos dois palhaços. Comemorou surpresa:

- Olha Dr. Cizar, a casa daquele Gnomo amigo nosso!

É que o Davi é bem baixinho.

O menino interessou-se pelo assunto:

- Eu conheço os Gnomos, já li sobre eles. Eles usam roupas verdes e um capuz vermelho!

- Você gostaria de falar com o Gnomo? Eu sei o número do seu telefone.

O menino ficou radiante e disse que sim, queria falar com o gnomo.

Ligaram e quem atendeu ao telefone foi a secretária eletrônica, o Davi não estava.

- Alô Gnomo, eu te amo. Gostaria muito que você aparecesse um dia para mim. Obrigado, um beijo, tchau.

Se acabasse aí, a estória já seria ótima, mas nada como um dia atrás do outro... Cizar levou até a casa de seu amigo Gnomo um macacão verde e um gorro vermelho. Avisou ao amigo que na quinta feira iriam novamente visitar o garoto amante dos Gnomos. Que ficasse de prontidão!

Chegou a quinta-feira e quando Emily e Cizar entraram no quarto do garoto, surpresa! Ele tinha ido embora; havia recebido alta... Não se deve lamentar o fato de uma criança deixar o hospital, mas eles lamentaram.

Eis que novamente: nada como um dia após o outro...

No caso foram trinta dias.

Um mês depois, entram no quarto que fora do menino e quem está lá? Ele! O amante dos Gnomos. Retomaram o fio da meada:

- Você gostaria de ver o Gnomo que mora aí em frente?

- Claro.

Telefonaram para o Davi. Ele estava de saída, iria viajar, mas diante das circunstâncias considerou que valeria a pena se atrasar um pouco.

A avó do menino levou o garoto até a janela. Mal o garoto chegou à janela e o Gnomo abriu a porta que dava para o telhado. É que Davi morava na cobertura do prédio. Ele saiu em passos lentos, pareciam coreografados. O Davi já fez teatro Butô e, finalmente, pode usar tudo que aprendeu. O menino em êxtase perguntou:

- Esse Gnomo é aquele que sobe em árvores?

- Não, esse é aquele que sobe em telhados.

O Dr. Cizar passou o aparelho de telefone para o menino:

- Fale com o Gnomo.

O menino apanhou o telefone:

- Alô, Gnomo?

- Pois não.

Davi, digo o Gnomo, tinha um telefone sem fio.

- Você é o Gnomo?

- Claro que sou, você não está me vendo?

- Então pula em cima daquela árvore, sugeriu o garoto.

- Ah, eu não posso. Estou de viagem marcada, vê esta mala?

Ele trazia uma pequena valise em sua mão direita. O garoto achou o argumento razoável e fez outro pedido:

- Então sobe no telhado.

O Gnomo sentou-se sobre o telhado com muito garbo. Estava adorando aquela brincadeira. O garoto pediu detalhes:

- Para onde você vai viajar?

- Vou visitar minha família lá na floresta.

- E quando você volta? Perguntou aflito o menino.

- Devo ficar um bom tempo por lá, estou com saudades da minha mãe, mas eu volto.

- Oba!

- Só quero te pedir uma coisa.

- Pode falar. O garoto era todo ouvidos.

- Não comente que você me viu, pois muitas pessoas não acreditam em mim. Pode ser que você às vezes não me veja, é que costumo ficar invisível. Mas eu vou estar sempre por aqui.

- Pode deixar.

- Agora, eu tenho que ir. Vou para floresta.

- Eu te amo gnomo.

Tamanha foi a euforia dentro do quarto que difícil era saber quem estava mais empolgado, se o menino, a sua avó ou os dois palhaços.

Duas enfermeiras acudiram apressadas. Vieram conferir o motivo de tamanha balbúrdia. Ficaram olhando maravilhadas o Gnomo que havia encantado o quarto, o garoto, a avó e os palhaços.

Neste momento, entrou a enfermeira chefe com ares de autoridade pronta para restabelecer a ordem.

- O que está acontecendo aqui? Perguntou com ares inquisidores.

- É um gnomo que está no telhado do vizinho. Apressou-se em responder uma das enfermeiras sem sequer se aperceber do tamanho absurdo que havia acabado de dizer.

Como o Gnomo estava ficando atrasado para a sua viagem, encerrou sua aparição. Quis o destino que a partida do Gnomo acontecesse em perfeita sincronia com a chegada da enfermeira-chefe até a janela. Ela olhou e confirmou a sua desconfiança: Não havia Gnomo algum!

Por via das dúvidas indagou ao garoto:

- É verdade que tinha um Gnomo lá fora?

- Gnomo? Aqui? Não. Não vi nenhum.

A enfermeira chefe confirmou suas suspeitas. Que Gnomo que nada! Virou-se para as duas enfermeiras e num tom severo repreendeu-as tal qual faria uma madre superiora:

- Voltem imediatamente ao trabalho! Depois conversaremos.

Saíram as enfermeiras e a superiora, ficaram os palhaços, o garoto e sua avó.

O menino caiu num choro convulsivo, era uma espécie de transe. O Dr. Cizar tentava acalmar o menino, mas nada parecia capaz de tirá-lo daquela crise de choro.
Entre um soluço e outro, o menino recuperou o ar e explicou-se:

- Eu estou chorando de alegria... Estou muito abalado. Façam alguma coisa para eu rir, e num tom suplicante facilitou a tarefa dos palhaços; façam qualquer coisa...
Que dia! Emily e Cizar atenderam aos clamores do garoto. Fizeram uma gag clássica de bater com a cabeça na porta ao tentarem sair do quarto. O menino agradeceu aliviado e disse que agora os palhaços já podiam ir embora, pois já estava mais calmo.

Na visita seguinte àquele hospital, o Dr. Cizar e a Dra. Emily foram interrompidos em seu horário de almoço por uma das enfermeiras que havia testemunhado a aparição do Gnomo. Ela lhes fez um pedido:

- Olha, eu vi o Gnomo e minha colega também, só que ela tem fama de ser meio piradinha... Daí que eu fico meio mal. Vocês não poderiam explicar o ocorrido à minha superiora e confirmar a visita do Gnomo para ela?

- Pois não, vamos pedir ao Gnomo qu

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV