Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Tarde demais

Fábio era um modesto funcionário público, mas tinha um sonho: queria ser médico.
Para isso empenhava-se em estudar muito para passar no Vestibular e poder cursar a Faculdade. Mas, foi transferido para uma cidade do interior onde conheceu a Ana Rosa e apaixonou-se por ela.

Ana Rosa também gostou muito do Fábio e não hesitou em acabar um namoro de muito tempo com o Victor para ficar com ele. Fábio não desistiu do seu sonho de estudar medicina. Todos seus planos para um futuro junto com Ana Rosa eram para longo prazo, quando ele estivesse formado, clinicando, com a vida estabilizada.

Naquele ano, Fábio foi aprovado nos exames, conseguiu a transferência e horário de serviço compatível, tudo certo para ele começar seus estudos. Mas uma surpresa o aguardava. Ana Rosa revelou que estava grávida. Fábio não sabia o que fazer. Casar-se com ela e desistir de seu sonho, logo agora que tudo tinha dado certo? Abandoná-la? Não podia nem cogitar de levá-la com ele. Ia ter uma vida sacrificada para pagar a escola cara, morar em alojamento e sobreviver como pudesse. Como poderia sustentar mulher e filho?

Depois de muito questionamento acabou pedindo a ela que o esperasse, que assim que ele estivesse com a vida arrumada viria buscá-la.

Ana Rosa desesperou-se:
 - Como vou ficar aqui esperando seis ou sete anos até você se formar? Lembre-se de que o seu filho vai nascer em breve e vai precisar de você.

Acabaram brigando e ele foi embora com um peso enorme na consciência. Escreveu uma carta para ela, tentando atenuar a situação, mas ela respondeu que ia assumir o filho sozinha e que ele não precisava mais se preocupar com ela.

Escreveu mais algumas vezes, mas recebeu a missiva devolvida "Recusada pelo destinatário”. Fabio fez o curso todo com brilhantismo, podia estar plenamente feliz não fora o remorso que lhe corroia a alma. Não conseguia esquecer da Ana Rosa e imaginava como seria o seu filho com um, dois, três anos... Na época, numa cidade relativamente pequena, numa família conservadora, Ana Rosa devia ter sofrido muito constrangimento, muita discriminação e ele sentia-se culpado e infeliz por isso.

Quando se formou, uma surpresa o aguardava. Foi-lhe concedida uma bolsa para fazer um aperfeiçoamento no exterior o que seria ótimo para sua carreira. Mas ele tinha outro plano. Ia voltar para aquela cidade, procurar pela Ana Rosa e, embora tardiamente, recompensá-la por todo sofrimento que lhe causara.

Chegou à tardinha e hospedou-se no único hotel. Pouca coisa mudara na cidade durante aqueles anos. Encontrou vários conhecidos que se alegraram com a sua disposição de fixar-se ali para começar a sua vida profissional.

Depois do jantar foi dar uma volta e encontrou-se com o Isidoro, um grande amigo. Conversaram sobre os últimos acontecimentos da cidade e sobre as pessoas conhecidas.

Fábio perguntou então, como quem não quer nada:
 - E a Ana Rosa?

- A Ana Rosa casou-se com o Victor, logo depois que você foi embora.

Sorriu malicioso:
 - Casou grávida! O menino já está grandinho e eles têm mais duas meninas. Parece que estão muito bem.

Lembrou:
 - Vocês foram namorados, não?

Decepcionado e enciumado, Fábio respondeu, fingindo indiferença:
Foi só um namorinho sem importância...

No outro dia, logo de manhã, mandou fechar a sua conta no hotel

- Como? Você não vai ficar aqui, alugar uma casa, montar o consultório?

- Não. Aconteceu um imprevisto. Vou voltar imediatamente para a Capital.

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida