Colunistas

Publicado: Sábado, 5 de agosto de 2017

Suprema ventura

18o. DOMINGO DO TEMPO COMUM - 6.8.2017

Ano “A” de Mateus - Branco

Transfiguração do Senhor

Evangelho (Mt. 17, 1-9)

 

“”    Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha.

E foi transfigurado diante deles; o seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz.

Nisto apareceram-lhes Moisés e Elias, conversando com Jesus.

Então Pedro tomou da palavra e disse:

“É bom ficarmos aqui. Se queres, vou fazer aqui três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”.

Pedro ainda estava falando quando uma nuvem luminosa os cobriu com sua sombra. E da nuvem uma voz dizia:

“Este é o meu Filho amado, no qual pus todo meu agrado. Escutai-o!”

Quando ouviram isso, os discípulos ficaram muito assustados e caíram com o rosto em terra.

Jesus se aproximou, tocou neles e disse:

“Levantai-vos e não tenhais medo”.

Os discípulos ergueram os olhos e não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus.

Quando desciam da montanha, Jesus ordenou-lhes:

“Não conteis a ninguém esta visão até que o Filho do homem tenha ressuscitado dos mortos”.    “”

 

Em termos de tudo quanto seja de sobrenatural e extraordinário na vida de Jesus e, principalmente, naquilo que diga respeito a seus acompanhantes, os apóstolos sobretudo, o estupendo milagre da Transfiguração se impõe como uma das mais impressionantes passagens de sua vida pública.

Quede-se qualquer mortal na meditação desse ato e no que tenha ele representado aos três discípulos. Por que Pedro, Tiago e João? Uma resposta que ninguém saberá dar, eis que se origina do mais íntimo recôndito de Jesus. No máximo, a exegetas, suposições várias, impressões, mas explicação jamais. Tudo quanto se imagine não irá além de meras suposições e probabilidades.

Vem daí a nós outros, meros mortais e passageiros fortuitos da vida aqui na terra, levar a Jesus um ato profundo de adoração, para, pelo menos dentro das limitações humanas, sermos movidos a almejar delícias dessa feita, sublimes e eternas.

E essa dadivosa esperança faz sentido. Para não dizer de pronto deva ser uma constante em nossos atos do acordar ao se deitar, dia a dia.

A perseverança na fé, - promessa de Jesus – vai permitir que essas luzes brilhantes e esse clima de santa e sagrada estupefação, deles poderemos ser também envolvidos.

Suprema ventura. 

                                                                              João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio