Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 19 de março de 2012

Sonho ou realidade?

Eliza viveu ao lado do pai desde a mais tenra infância. Não sabia nada a respeito da mãe, pois o pai negava-se a falar dela e ficava zangado quando ela insistia em perguntar.

O pai a amava a seu modo. Cuidava dela, vivia para ela, mas tinha muitas esquisitices. Não deixava que ela saísse de casa, tivesse amigas, sequer pensasse em namorar. Não a mandou a escola. Ele mesmo ensinou-lhe a ler e escrever.

Eliza adaptou-se a essa vida e seus dias transcorriam tranquilos e vazios. Não trabalhava, não estudava, não saia de casa.

Sem qualquer objetivo na vida, Elisa entregou-se aos sonhos e às fantasias.

Imaginou para si outra família, outra situação e, é claro, um namorado com quem se casaria um dia e teria muitos filhos.

Tudo foi plasmado em sua imaginação com todos os detalhes e ela chegava a sentir-se feliz no seu mundo imaginário.

.Alberto, o namorado era perfeito, bonito, rico, educado e muitos etcs.

Plasmou-o de tal forma em sua imaginação que ele passou a ser real para ela. Imaginar sua vida a seu lado, seu casamento com ele, o nascimentos dos filhos, a família numerosa, fazia-a feliz, mais feliz do que se fosse real, pois a realidade nunca é tão completa.

O tempo passou, o pai se foi e ela envelheceu solitária. Só Alberto permaneceu com ela animando seus devaneios e preenchendo seus sonhos.

Até que naquela noite enluarada, convite ao romance e a ousadia ela levantou-se pé ante pé deixou a casa disposta a dar uma volta pelo jardim.

Foi então que o milagre aconteceu.

Ouviu alguém chamá-la e antes mesmo que o visse sabia que era ele.

Alberto correu ao seu encontro, tomou-lhe a mão e os dois foram andando e depois volitando até perderem-se entre as estrelas.

No dia seguinte a empregada estranhando sua demora em levantar-se entrou em seu quarto.

Ela estava imóvel com um leve sorriso no rosto. A boa serviçal emocionada só pode murmurar:

— Que Deus a tenha!  

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida