Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 25 de junho de 2007

Sinhozinho Pere

Buscapé tinha a mesma idade do sinhozinho Pere. (o nome dele era Péricles, mas Buscapé nunca conseguiu pronunciar o seu nome).
Buscapé e Pere cresceram juntos e foram sempre amigos. Crianças, não entendiam as diferenças sociais e, mais tarde, adolescentes, achavam que isso era besteira.
Tinham quinze anos quando Pere se engraçou com uma escrava, a Maria Antonieta, neguinha metida que dizia para todo mundo que tinha nome de rainha e ficou mais metida ainda quando começou a namorar o sinhozinho.
Os dois se encontravam às escondidas em um velho paiol abandonado e era Buscapé que levava e trazia os recados, marcava os encontros e vigiava quando os dois estavam lá dentro para ver se ninguém aparecia.
Isso, escondido do Sinhô que não permitia libertinagem nem entre os escravos, imagine só se soubesse...
Mas, o feitor desconfiou, perseguiu-os e acabou pegando-os em flagrante.
Correu contar para o Coronel, é claro, e este chamou os dois meninos no quartinho do fundo e fechou a porta.
O quartinho do fundo era temido pela criançada. Era lá que o pai ou a mãe os chamavam para passar as descomposturas.
Controlados, nunca lhes chamavam a atenção na presença de terceiros, mas, exigentes, não deixavam passar nenhuma travessura sem um bom pito ou até umas palmadas, no quartinho do fundo.
Os meninos estavam apavorados. Que será que o Coronel ia fazer?
Tirou a cinta devagar, prolongando os momentos de aflição, mandou o Pere baixar as calças e aplicou-lhe umas boas cintadas.
Buscapé estava apavorado. Se no filho ele bateu desse jeito, imagine só o que ia fazer com ele.
Sempre vagaroso ele recolocou a cinta e pegou o chicote pendurado na parede.
- Tire a camisa!
Buscapé tremia tanto que não conseguia desabotoar a camisa. Nunca um negro tinha apanhado naquela fazenda. Seria ele o primeiro?
Depois de uma eternidade de angústia, quando ele finalmente conseguiu despir a camisa, o Sinhô falou:
- Não precisa tremer negrinho covarde! Eu não bato em negro. Pode vestir sua camisa, mas saiba que se fizer outra, eu o ponho a venda.
Buscapé sentiu-se mais humilhado e envergonhado do que se tivesse apanhado.
Pere foi proibido de sair de dentro de casa e alguns dias e depois foi mandado para um colégio interno.
E a Maria Antonieta foi vendida.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida