Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Sinceridade, acima de tudo

XXIX Domingo do Tempo Comum.

Outubro, 16. – 2011.

Evangelho, segundo Mateus.

Capítulo 22, versículos de 15 a 21.

.   .   .   .   .   .   .   .   .   .

“”  Naquele tempo, os fariseus fizeram um plano para apanhar Jesus em alguma palavra.

Então mandaram os seus discípulos, junto com alguns do partido de Herodes, para dizerem a Jesus:

“Mestre, sabemos que és verdadeiro e que, de fato, ensinas o caminho de Deus. Não te deixas influenciar pela opinião dos outros, pois não julgas um homem pelas aparências. Dize-nos, pois, o que pensas: É lícito ou não pagar imposto a Cesar?”

Jesus percebeu a maldade deles e disse:

“Hipócritas! Por que me preparais uma armadilha? Mostrai-me a moeda do imposto!”

Levaram-lhe então a moeda. E Jesus disse:

“De quem é a inscrição e a figura desta moeda?”

Eles responderam: “De César”.

Jesus então lhes disse:

“Daí, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.  “”

.   .   .   .   .   .   .   .   .   .

Toda ação humana, eivada de má fé, segundas intenções ou maldade de qualquer espécie, não começa bem e termina mal.

Que ingenuidade dos contemporâneos de Jesus, essa, de volta e meia querer surpreendê-lo em erro!

O bem e o mal nunca se confundem, mesmo à força de artimanhas, por malsãs que sejam.

O lobo em pele de cordeiro, cedo ou tarde será descoberto.

No terreno meramente humano, quantas vezes intrigas chegam a ser maldosamente perpetradas.  Por espírito de inveja e sem coragem de uma abordagem direta, encomendam-se na sociedade ciladas a outrem, que, covardemente, não seriam feitas às claras.

Jesus, com um exemplo bem simples, desfaz a intriga deles e os desmascara.

Reveladora também, esta passagem dos evangelhos, de que não se sustenta nunca, o surrado expediente de tentar se obter algo mediante elogios prévios na abordagem da pessoa, para golpeá-la ao depois.

Jesus estava centrado na sua missão amorosa de misericórdia e perdão, dádivas que deveriam ser igualmente incorporadas à conduta do cristão, do fiel, de todos os homens afinal.

O convite à adesão incondicional ao Mestre é geral e aberto, sem imposições ou meios ardilosos.

                                                            João Paulo

                                                                  

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio