Colunistas

Publicado: Sábado, 19 de setembro de 2015

Servidão

Servidão
Escultura de Sam Jinks

Era figura contínua no segundo plano das fotografias oficiais, sempre com o queixo inclinado para cima e o bigode tapando as narinas. Também esteve em todos os registros sociais daquela autoridade. O povo não sabia seu nome, tampouco sua relevância, mas era por ele, em verdade, que se passaram as grandes decisões e os maiores dilemas daquele condado pois, a qualquer sinal de turbulência na administração pública, era convocado para um uísque com duas pedras de gelo e horas ouvindo. Não dizia nada, mas ouvia de tudo. A oposição, sabendo disso, jogara-lhe no colo diversas mulheres a fim de furtar sua devoção. Sempre fora em vão. Era uma projeção frequente à sombra do governo. Esteve presente tanto na posse quanto no divórcio, meses após o fim do mandato. Certa vez, em ocasião fortuita e imprópria, quando perguntado sobre os bastidores do governo e como teria iniciado seu romance com a esposa do político, disse com um leve sorriso no canto esquerdo dos lábios: "Servia ao poder, não a ele".

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

8 de outubro de 2018

Eles Sabiam de Tudo

5 de outubro de 2018

Urna Funerária

8 de agosto de 2018

Estrada

9 de julho de 2018

A ditadura do aroma

28 de maio de 2018

La Ciudadela