Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sem vestígios deles ...

 

PENTECOSTES

Domingo, 8, junho, 2014 – Ano “A”

Evangelho (João, 20, 19-23)

............................................................................................

“”   Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse:

“A paz esteja convosco”.

Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor.

Novamente, Jesus disse:

“A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”.

E depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse:

“Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhe serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhe serão retidos”.  “”

................................................................................................

Num breve trecho, ao celebrar-se como pano de fundo a comemoração litúrgica de Pentecostes, enuncia-se mais uma vez o mistério da Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo.

Já o fizera Jesus noutras passagens e os evangelhos frisam esses momentos, -  a existência da Trindade una e indivisível. Entanto, ela vai reprisada com clareza, alto e bom som, como se diz no linguajar de todo dia, a partir das expressões do próprio Jesus.

Isso, como se fora pouco, estivesse Jesus ali em mais uma de suas milagrosas aparições, torna Ele mostrar as mãos e o lado, suas feridas de morte na cruz.

E assim, com toda autoridade, “Jesus” explicita que o “Pai” o enviara e naquele momento lhes transmite, aos apóstolos, o “Espírito Santo”.

Tudo envolvido em mistério, ininteligível à mente humana, mas que, pela fé, a certeza, conforto e refrigério, conferem crença aos seguidores de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Por corolário, Jesus, naquela mesma hora, ratifica o legado ímpar para a salvação dos fiéis e mesmo dos pecadores se arrependidos, de purificação da alma através do sacramento da Penitência, comumente citado como o da Confissão.

Que felicidade! Que dádiva!

Diante da fraqueza e fragilidade ainda mais evidente da alma humana, que ao menor sintoma sujeita-se a sucumbir ao pecado, fica a possibilidade de se levantar, por-se outra vez de pé, pela absolvição de suas faltas.

Outra vez a alma branca como a neve.

Entre humanos, após um ato de reconciliação, diz-se colocar ali um ponto final ou até que se risca com um xis o acontecido, para assim não ser lembrado.

Quando, porém, perdoados os pecados sob a Confissão ao sacerdote, os mesmos são apagados perante Deus, como se nunca tivessem acontecido.

Sem vestígios deles...

                                                                                                       João Paulo

 

 

 

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio