Colunistas

Publicado: Sábado, 5 de julho de 2014

Seguro total

 

14º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

Julho, 6, 2014 – Ano “A”

Evangelho (Mateus, 11, 25-30)

...............................................................................................................

“”   Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer:

“Eu vos louvo, ó Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado.

Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso.

Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.   “”

.................................................................................................................

Se um amigo, um vizinho ou outra pessoa qualquer lhe puser carinhosamente a mão em seu ombro e lhe afiançar que está ali para todos os efeitos, mais ainda, se esse alguém, generoso e paciente, lhe garantir que até em hora de sobressalto e cansaço estará por perto, sempre atento, como você reagiria?

Amplie-se a pergunta: como agiriam todas as pessoas favorecidas por um apoio nesses termos?

Como não é comum nem existe muita gente com tais disposições – abençoadas aquelas que porventura o sejam – todos a quem deferidos fossem tais favores, se sentiriam gratos.

Pois essa afirmação de segurança, da presença e companhia de Jesus, vindas de seus próprios lábios, desde que o aceitem de coração, não é sonho nem quimera.

Um evangelho curto como este, mas impregnado da mais esperançosa mensagem de Jesus, deve ser lido e pensado por todos os fiéis. Ler e reler seu breve mas enorme conteúdo.

Constitui-se num convite à paz e segurança, contra quaisquer males, ameaças, perigos e incertezas.

O mestre dá o nome de “jugo” a suas ações até para reforçar que a entrega a seu coração deve ser plena, incondicional e confiante. Mas é jugo leve.

Jesus faz um convite claro, numa maneira sublime de se expressar, ao passo que os mortais entre si costumam dizer, em tom até amigo: deixe tudo por minha conta. Assim falam os homens. Mas destes, se há ou se pode acreditar invariavelmente nas suas promessas?  Claro que não.

Infelizmente, o mundo está tumultuado e a maioria dos seus habitantes talvez nem saibam dessa mensagem doce e divina. Mesmo se sabida, lhes terá caído no esquecimento.

Jesus, um seguro total.

                                                                                  João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio