Colunistas

Publicado: Sábado, 7 de agosto de 2010

Saudade do Pai

Saudade do Pai
No Dia dos Pais, aproveite o seu

Meu pai era um sujeito simples e alegre, bem quisto por todos. Nunca deixou faltar nada em casa, que sempre encheu de livros. Depois do divórcio a televisão tornou-se sua companheira. Nela gostava de ver futebol. Cozinhava, lavava, passava.

Não morávamos juntos. Nos falávamos por telefone todas as noites. Nosso encontro semanal era aos sábados. Ele me esperava sair do trabalho e íamos almoçar no centro da cidade. Passávamos numa banca, onde ele me comprava a revista semanal. E ficávamos papeando esse tempo todo, até a hora de ir embora.

Éramos unha e carne. Cara de um, focinho do outro. Com ele aprendi o sentido do trabalho honesto, da amizade sincera, de viver sem precisar de muita coisa. Aprendi a suportar os revezes da vida com serenidade.

Meu pai era todo para os filhos. Nunca pensava nele. Certa vez estava amuado na casa dele, sem grana pra nada. A faculdade me consumia quase todo o salário. Ele me sugeriu ir ao cinema e aleguei a falta de verba. Pois o velho pegou dinheiro da carteira e me deu. Foi tomar banho. Discretamente conferi o que lhe tinha sobrado: dois miúdos. Deu-me tudo o que tinha. Isso é ser pai ou não é?

 Há algum tempo não está mais comigo. Um AVC deu-lhe férias permanentes e merecidas, após tantos dias de luta. Foi-se muito cedo, ainda acho. Nem chegou aos cabelos brancos. Hoje eu estaria lhe comprando um 752 da Vulcabrás, a única marca de sapato que gostava de usar.

Mesmo sem ele por aqui, almocei no restaurante em que sempre íamos. Sentei na mesma mesa em que sentávamos. Passei na banca pra comprar a revista semanal. Não foi saudosismo. É saudade mesmo. Saudade do pai que não se consumiu lá no cemitério, mas que reina forte dentro de mim que sou filho.

No Dia dos Pais, aproveite o seu. É conselho amigo. O pai é um ser único, nosso primeiro exemplo na vida. E mesmo que vocês não saibam como expressar direito esse afeto um pelo outro, tentem. Mas tentem de verdade. Porque depois, só ficam lembranças para consolar a saudade.

Pai: parabéns pelo seu dia!

- Faça seu comentário e mande sua sugestão de assunto para o artigo seguinte!

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é diácono transitório na Diocese de Jundiaí (SP) e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo