Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 13 de maio de 2010

SALA NA COPA - Nigéria

Crédito: Internet SALA NA COPA - Nigéria
Forte da Seleção Nigeriana é o setor defensivo.

A Nigéria é outra daquelas seleções africanas que só conseguem nos assustar em Olimpíadas ou nas categorias sub-qualquer coisa. Quando chega na Copa do Mundo mesmo, tem todas as estatísticas contra si.

É traço marcante das seleções africanas aquela alegria ao jogar futebol. Porém, como em futebol o que vale é placar e pontos ganhos, jogar alegremente não garante classificações. Mas há esperanças: dizem que a FIFA estuda a criação de uma Copa do Mundo de Futebol Artístico, realizada a cada vinte anos...

Atualmente a Seleção Nigeriana ocupa o vigésimo lugar no ranking da FIFA. Estar entre os vinte melhores é ótimo se falamos da lista de bilionários da Forbes, mas não em futebol.

Das dezoito edições da competição realizadas até hoje, a Nigéria participou de apenas três. Em 1994, 9º lugar. Em 1998, 12º lugar. Em 2002, 27º lugar.  Em 2006, nem jogou. Ainda bem que em Copas não há classificação pior que o 32º lugar. Abaixo a progressividade!

O destaque da atual Seleção Nigeriana é o atacante Obafemi Martins, de 25 anos. É jogador do Wolfsburg, time alemão. O mesmo que o brasileiro Grafite levou aos píncaros da glória futebolística em 2009, para alegria dos chucrutes.

Durante as eliminatórias para a Copa, o artilheiro foi o jogador Obinna, com 4 gols em 9 jogos. Obinna com dois ênes, não igual àquele do Atlético Mineiro e antes do Palmeiras, e antes do Flamengo.

Apesar da alegria e dos artilheiros, a grande vantagem da Nigéria vem mesmo do setor defensivo. Na fase de classificação para a Copa, tomou apenas e míseros cinco gols.

É o tipo de time com o qual não gostamos de jogar: basta notar a superioridade do adversário que se fecha na defesa, qual tartaruga intimidada.

- Faça seu comentário e mande sua sugestão de assunto para o artigo seguinte!

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é diácono transitório na Diocese de Jundiaí (SP) e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo