Colunistas

Publicado: Domingo, 8 de outubro de 2017

Sabiam o que e como fazer, mas ...

REFLEXÃO DOMINICAL – 8.10.2017

Ano “A” de Mateus – Cor litúrgica: verde

Evangelho (Mt. 21, 33-43)

 

“”    Naquele tempo, Jesus disse aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo:

“Escutai esta parábola: certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou a vinha a vinhateiros e viajou para o estrangeiro.

Quando chegou o tempo da colheita,o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos.

Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram  a outro e ao terceiros apedrejaram.

O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma.

Finalmente, o proprietário enviou-lhes o seu filho, pensando: ´Ao meu filho eles vão respeitar´.

Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si:

´Éste é o herdeiro.Vinde, vamos matá-lo e tomar posse de sua herança!´

Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram.

Pois bem, quando o dono da vinha voltar, o que fará com esses vinhateiros?”

Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam:

“Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo.”

Então Jesus lhes disse:

“Vós nunca lestes nas Escrituras; ´A pedra  que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isso foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos   nossos olhos´?

Por isso eu vos digo, o reino de Deus vos será entregue a um povo que produzirá frutos”.  “”

                                                                 

 

De fato, os sacerdotes e anciãos do templo sabiam o que fazer e como fazer. Exerciam uma   influência junto ao povo que, de sua parte, esperava somente aprender e manter uma vida de espiritualidade.

Os mestres da lei a conheciam e fingiam viver respeitosamente toda lição deixada pelos profetas.

Era tão acintosa essa conduta dos lideres religiosos de então, falsos e interesseiros, que este evangelho de hoje é sequência direta do trecho de domingo passado.

Ao ouvirem as parábolas contadas por Jesus, tinham o acinte de responder corretamente. Apenas que na prática agiam ao contrário.

Jesus, judeu, veio para por a casa em ordem e o conseguiu, ainda que sob pena de morrer na cruz.

Mas ressuscitou.

Cabe então, agora em tempos outros e perante a Igreja, nos situarmos para, acima de tudo, seguirmos o Mestre.

A sinceridade de coração, deveres cumpridos, o amor acendrado a Jesus Cristo, eis a maneira de agir e nos sentirmos seguros, mesmo numa eventual adversidade.

Cristo, hoje, amanhã e sempre.

                                                                                                                    João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio