Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 3 de maio de 2010

Refazendo laços

Solange e Isaura eram duas professoras recém formada que foram lecionar numa escola rural próxima a uma grande fazenda.

A família do fazendeiro hospedou as duas moças que logo se tornaram como que pessoas da família.

Algum tempo depois, Isaura casou-se com Júlio, o filho do fazendeiro e Solange com Márcio, um professor.

Muito amigas, as duas continuaram inseparáveis.

Os dois casais estavam sempre juntos.

Quando nasceu a Lorena, filha de Solange, Julinho, filho de Isaura já tinha três anos.

O garoto apaixonou-se pela bebezinha, queria carregá-la o tempo todo e, quando as mães distraiam-se, ele subia no berço e dava-lhe uns almaços.

As duas crianças foram crescendo muito amigas assim como os seus pais.

Julinho adorava a Lorena e sempre a defendia quando outra criança brigava com ela ou a mãe a repreendia.

Quando Julinho começou a frequentar a escola, Lorena era ainda muito pequena e ele contava a ela como era emocionante assistir as aulas, como a professora era bonita e os colegas divertidos.

Sua brincadeira predileta na ocasião era "brincar de escolinha" e Lorena acabou aprendendo com ele as primeiras letras.

Mas a vida tem seus percalços. Márcio faleceu ainda jovem, depois de uma rápida enfermidade.

Solange resolveu, então, transferir-se para a cidade distante onde sua família morava e as duas amigas separaram-se.

Nos primeiros tempos, corresponderam-se amiúde, mas depois foram espaçando as missivas e por fim só se comunicavam nas datas festivas, Natal, aniversários, etc.

As crianças sofreram muito com a separação, mas acabaram acostumando e cada qual seguiu o seu caminho.

Quando Lorena fez 15 anos, Solange mandou à amiga uma fotografia dela, na festa, e Julinho colocou-a num quadro na parede de seu quarto.

Para retribuir, Isaura mandou a Solange a foto de formatura de segundo grau do Julinho.

Mais um tempo se passou e Isaura também enviuvou.

Julinho ainda muito jovem herdou um considerável patrimônio e uma grande responsabilidade, administrar os bens adquiridos por três gerações de sua família.

As duas amigas retomaram a correspondência com assiduidade e, algum tempo depois Solange convidou Isaura para fazerem juntas uma viagem.

Julinho levou a mãe até o aeroporto na capital e foi então que reencontrou Lorena, a amiguinha de infância de quem nunca se esquecera.

Quando se despediram e as duas mães encaminharam-se para o embarque, Julinho sentiu um aperto no coração. Nunca se separara da mãe e a idéia de ficar tanto tempo longe dela o angustiava.

Mas estava contente. Achava que a mãe tinha mesmo que espairecer um pouco.
Foi então que ele olhou para Lorena e viu que ela estava com os olhos marejados.
Num impulso os dois abraçaram-se terna e longamente.

Depois foram juntos a uma lanchonete para conversar. Tinham tanto a se dizer! Quanta coisa para contar! Tantos anos de vida para passar a limpo!

A certa altura Julinho falou:

- A minha namorada viu o seu retrato na parede de meu quarto e ficou enciumada.

Queria que eu tirasse para pôr o dela.

- E você tirou?

- Imagine! Disse a ela que nunca tiraria.

Lorena abriu a carteira e mostrou a Julinho a sua foto no porta-retratos:

- Está aqui desde que sua mãe nos mandou. Eu dizia a minhas colegas que era o meu namorado. Inventava cada história! Elas achavam você muito bonito e ficavam com inveja de mim.

Riu meio encabulada:

- Criancice!

- E agora? Seu namorado ainda não implicou com essa foto na sua carteira?

- Não tenho namorado. Ainda não encontrei ninguém que me interessasse.

- Vá ver que é por causa do retrato. Você mentiu e os anjos pensaram que era verdade e disseram "Amém!".

Riram divertidos:

- Deixa sua namorada saber disso!

- Minha namorada e eu não nos damos muito bem. Estamos sempre brigando.

Agora mesmo estamos brigados. Acho que vou terminar de uma vez.

- E daí?

- Que tal fazermos uma surpresa para nossas mães, quando chegarem?

- Garanto que minha mãe vai ficar muito contente.

- E a minha também!

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida