Colunistas

Publicado: Domingo, 29 de setembro de 2019

Receita de mulher

Crédito: www.fansdapsicanalise.com.br Receita de mulher

 

NA VISÃO CRIACIONISTA DO MUNDO, Eva não é um novo pó, nem um novo alento. É o mesmo alento de Adão – o Homem Primordial. Ela é osso de seu osso e carne da sua carne.


Nenhuma nova criatura surgiu em cena no então silente e quedo Paraíso, mas o mesmo Adão solitário foi duplicado – um Adão masculino e um Adão feminino.


A aparente dualidade não é uma punição divina, mas um processo inerente a natureza da própria Unidade. Por isso a oscilação de um estado para outro: da fragilidade à fortaleza, da emoção à racionalidade, do chamado feminino ao masculino. Aparentes opostos que se completam. Um não existe sem o outro. Sol e lua, dia e noite, água e fogo, terra e ar.


Como Lua, as mulheres são frágeis, intuitivas, misteriosas, criativas e sensíveis. Como Água, fluem pelos caminhos da vida contornando as adversidades, até se libertarem delas. Podem ser Fogo que queima e destrói com suas labaredas. Terra que estabiliza e alimenta ou Ar - quando sonham e constroem novas realidades.


Elas contêm todas as facetas – eles também. Elas têm maior facilidade de perceber a multiplicidade e de exprimi-la. São as mulheres que asseguram nos ventres a perpetuação da raça humana.


Também são as mulheres as legítimas proprietárias da sedução e guardiãs do fogo sagrado – o sexo; as que trabalham e sustentam seus lares ou tomam as rédeas da própria vida vencendo preconceitos, a partir das suas escolhas.


Apenas elas conhecem o sentido da resistência, mesmo quando emudecidas durante séculos, queimadas em fogueiras ou confinadas à esfera doméstica. São vencedoras quando aparentemente derrotadas.


Todas as lendas e mitos existentes contam sobre o arquétipo da Grande Mãe, que oferece sábios conselhos, seduz ou propõe soluções para situações limite.


Velha ou jovem, a idade não importa. Cada menina é depositária do mesmo conhecimento ancestral. É sua herdeira, mesmo que leve muito tempo para descobrir isso.


A consciência da multiplicidade é o caminho. Sua aceitação leva à integração do ser, que busca o exercício pleno do viver.


Quer ser uma mulher por inteiro? É fácil: basta apenas ouvir a velha e sábia voz que existe dentro de você.

Comentários

História & Cotidiano

Katia Auvray

Katia Auvray

Historiadora e escritora. Autora dos livros "Cidade dos Esquecidos - A vida dos hansenianos num antigo leprosário do Brasil" e da coleção infanto-juvenil "Magia da História", sobre a história da cidade de Salto/SP. Também é Mestre Reiki.

Arquivo

16 dias atrás

Retrato

20 dias atrás

Receita de mulher

15 de setembro de 2019

Um cão chamado Bumma

Ariza Centro Veterinrio