Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 27 de junho de 2013

"Segue-me"

Festa de São Pedro e São Paulo

Junho, domingo, 30.

2013.  Ano “C” de Lucas.

Evangelho (João, 21, 15-19)

..................................................................................................................................................

“”   Jesus se manifestou a seus discípulos e, depois de comer com eles, perguntou a Simão:

“Simão, filho de João, tu me amas mais que estes?”

Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”.

Jesus disse:

“Apascenta os meus cordeiros”.

E disse de novo a Pedro:

“Simão, filho de João, tu me amas?”

Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que te amo”.

Jesus lhe disse:

“Apascentas as minhas ovelhas”.

Pela terceira vez, perguntou a Pedro:

“Simão, filho de João, tu me amas?”

Pedro ficou triste, porque Jesus lhe perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”.

Jesus disse-lhe:

“Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo, quando eras  jovem, tu te cingias e ias para onde querias.Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir.”

Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus.

E acrescentou:

“Segue-me”.   “”

....................................................................................................................................................

Condição indispensável (“sine qua non”) para que o fiel obtenta o perdão de seus pecados no sacramento da confissão, é que além de compungido, na forma de irrestrito arrependimento e contrição, disponha-se naquele momento a não repetir as mesmas faltas.

Embora se saiba que a fraqueza humana está sempre latente,

desde que ali, naquela hora, haja tal decisão, sua alma estará limpa. 

Além do que Jesus não cobra o passado.

Recebe-o de volta e com alegria.

Não há nenhuma dúvida de que Pedro, depois de negar Jesus três vezes no início da Paixão, se lembrou daquele momento. E Jesus o queria bem e nunca deixou de tê-lo como o discípulo inflamado que fora durante a vida pública do Mestre. Se através de três questionamentos seguidos inquiriu de Pedro a proporção do seu inquestionável apego a Ele, absolutamente não o fez por duvidar disso. Tratou-se de um meio,  isto sim, de demonstrar muito mais de quanta consideração Pedro se fizera merecedor.

Incumbiu-o  justamente de organizar e reger os primeiros tempos da Igreja, assim escolhido diretamente por Jesus, como primeiro Papa.

E não lhe deu maiores instruções, do que lhe dizer:

“Segue-me”.

                                                            João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio