Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 17 de agosto de 2015

"Hamelin", uma nova fase do teatro ituano

Crédito: FernandoHenrique.efe "Hamelin", uma nova fase do teatro ituano
Uma atuação sublime, comovente e genial

"Isto não se trata de uma coletiva de imprensa, ouviram bem?", disse, em tom ríspido.

Silêncio.

Monteiro, de pé atrás de sua escrivaninha, falava aos jornalistas diante de si. A respiração dos presentes estava pesada. O escritório, parcamente iluminado, dava àquela cena um ar ainda mais tenso e sombrio.

O homem prosseguiu, dizendo tudo o que queria dizer, sempre com uma voz firme e austera. Quando terminou, virou-se para olhar através da sua janela, observando a única luz acesa no prédio vizinho. Ainda falou por vários minutos, mas não dialogava mais, apenas devaneava.

O menino sente medo, mas seu pai não sabe do que ele tem medo. Do que tem medo o menino da janela?

Sentado três fileiras de poltrona distante do palco, eu assistia hipnotizado àquela cena, enquanto Juliano Mazurchi, no papel do juiz Monteiro, vociferava as palavras com a precisão milimétrica de alguém que conhece bem seu personagem, com uma dicção de dar inveja mesmo aos melhores oradores.

De cara, já fui capturado por aquela atmosfera. E que atmosfera! Hamelin, de Juan Mayorga, é um espetáculo ousado. E não apenas por ser uma peça dramática em uma cidade pouco acostumada ao drama, mas também por ser um gênero teatral nunca antes executado pela Companhia Nósmesmos.

Uma execução impecável, diga-se de passagem. Com a direção do sempre brilhante Ricardo Vandré e contando com um magnífico elenco que não peca em absoluto pela falta de dramaticidade, a peça é angustiante e atormentadora, do começo ao fim.

Inaugurando o Teatro Nósmesmos, recém instalado no Shopping Unicenter, em Itu, a peça tem tudo o que uma grande estreia merece: um roteiro rico, uma equipe de qualidade, atores de gabarito e, claro, um desfecho surpreendente.

Uma história maravilhosa e envolvente, dessas que permanecem ecoando dentro do espectador muito tempo depois de ter deixado o teatro, Hamelin não é apenas o tipo de espetáculo que Itu precisa: é muito além do que a cidade esperava.

Definitivamente, um drama que fará você rever seus conceitos.

Recomendadíssimo.

Hamelin está em cartaz nos fins de semana de 14 de agosto até 27 de setembro, tem duração de 1h20m e a classificação indicativa é 14 anos.

Ingressos:
R$ 40,00 - inteira
R$ 20,00 - meia-entrada (estudantes, professores e maiores de 60 anos)
R$ 30,00 - antecipado (um dia antes do espetáculo)

Pontos de venda:
Bilheteria do Teatro Nósmesmos (sem taxa de conveniência)
Livraria Nobel - Plaza Shopping Itu (com taxa de conveniência)
Site: www.bilheteriarapida.com.br (com taxa de conveniência)

Informações: www.nosmesmos.com.br

Comentários

Papo Cabeça

Rafael Cavacchini

Rafael Cavacchini

Empresário, romancista, redator, crítico político e antropólogo. Escreve utilizando linguagem ácida e direta, sem abandonar a ética nem apelar pra demagogia desnecessária.

Arquivo