Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 8 de maio de 2009

"... sem mim, nada podeis..."

Para os três últimos da série de Domingos da Páscoa, do Quarto ao Sexto, os evangelhos são de João.
 
Vive-se hoje, ainda, portanto, o Quinto Domingo da Páscoa.
 
Para melhor apreensão dos leitores, os evangelhos passam a ser didaticamente separados por seus respectivos versículos, como aparecem na transcrição abaixo.
 
Os primeiros oito versículos, pois, do capítulo 15, de João.
 
Ei-los:

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará;
e podará todo o que der fruto, para que produza mais fruto.
Vós já estais puros pela palavra que vos tenho anunciado.
Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em mim.
Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á.
Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito.
Nisto é glorificado meu Pai, para que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos.
 

No texto da semana que passou, 3 de maio corrente (Jô 10, 11-18), Jesus, ao se proclamar eloquentemente como o Bom Pastor, se derrama em uma seleção das mais carinhosas expressões para evidenciar seu amor pelos homens.
 
A criatura humana é o centro das atenções de Jesus.
 
Ainda em tom coloquial, mas severo e claro, neste Quinto Domingo, Ele faz ver a necessidade de que sejam os homens os ramos dele, que se projeta na figura de uma videira, modelo perfeito de uma união estreita entre Criador e criaturas.
 
Imprescindível essa íntima ligação, porque se aguarda dos ramos os frutos necessários, sem o que estes perecem por si.
 
Categórica, para que sobre ela se debruce e medite o fiel, esta afirmação:
 
“Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.”
 
Debalde por conseguinte há o homem de sair tresloucado na procura e no acúmulo de bens passageiros e terrenos, se prescindir de Deus.
 
Enganosa a felicidade aparente, porque cheio de si e de haveres, sente-se consolidado e suficiente.
 
Esquecido do lapidar ensinamento contido no “se
Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio