Colunistas

Publicado: Sábado, 11 de fevereiro de 2017

Quem foi o capitão Fleming?

Crédito: Google Imagens Quem foi o capitão Fleming?
Convento das Redentoristas na Rua Cap Fleming

Caiu-me nas mãos um já antigo escrito do Jornal A Federação, cujo autor infelizmente não consegui identificar, publicado em sua edição de 25 de Setembro de 1982, em lembrança do cinquentenário da morte desse herói ituano e paulista ocorrida em 21 de Agosto de 1932, em pleno front da guerra cívica de São Paulo pela Constituição e por um governo paulista e civil. O artigo é parte integrante do livro Quatro Séculos de Itu – fatos e personalidades, volume II, do grande Roberto Machado de Carvalho da Ottoni editora em 2010.

Nascido no Rio de Janeiro em 1905, segundo filho de D. Maria da Glória de Lemos Fleming e do Almirante Thiers Fleming, eram seus irmãos Thiers de Lemos Fleming, Edith de Lemos Fleming e Maria José Fleming.

Com apenas cinco anos Sylvio perdeu a mãe, sendo então criado pelo pai, que para aprimorar os estudos dos filhos levou-os à França onde foram matriculados em bons colégios, acompanhados da ama da família de nome Julia, que faleceu na França.

De volta para o Brasil, Sylvio e seu irmão Thiers moraram em Lambari, Minas Gerais, e na idade própria foram para o Rio de Janeiro cursar a Escola Militar. Sylvio, inteligente e aplicado nos estudos revelou-se um grande desportista no hipismo. Deixando a Escola Militar veio a servir no quartel de Itu, alcançando logo o oficialato, como primeiro tenente.

Pouco antes da Revolução de 1930, Sylvio defendeu as ideias da revolução lutando na frente de Itararé. Contraiu núpcias com D. Nair Xavier Fleming, sendo o casamento realizado na cidade de Aparecida do Norte. O casal teve um filho Milton Fleming e uma filha D. Silvia Xavier Fleming, nascida em Itu na casa defronte ao Convento das Redentoristas.

O então primeiro Tenente Sylvio Fleming, soldado do Exército nacional e que servia no quartel de Itu tombou em combate aos 27 anos, na plenitude de sua juventude. Sobre o triste fato, o Coronel José Joaquim de Andrade, comandante do Quartel General do destacamento do setor Norte expediu o seguinte Comunicado: “Falecimento de Oficial – Em consequência dos ferimentos recebidos, na linha de frente, no exercício de seu posto, faleceu o senhor primeiro tenente Sylvio Fleming. Grande esperança do nosso Exército, o novel e já notável artilheiro foi vitimado em consequência de ferimentos recebidos em um reconhecimento avançado. A perda do distinto camarada abre clarão em nossas fileiras onde ele era considerado um destacado elemento de valor...”

Certamente nem todos os que tombaram em 32 foram honrados pós-mortem com um registro oficial tão preciso e fiel às qualidades do inolvidável militar – o máximo herói e mártir de Itu.

Sylvio Fleming ficou conhecido das novas gerações ituanas pelo nome de uma placa de rua que é o prolongamento da rua Floriano Peixoto e pelo antigo Mausoléu localizado no interior no Cemitério Municipal, hoje transferido para a frente da necrópole pelo motivo de transladação dos seus restos mortais para o Mausoléu Obelisco do Ibirapuera em São Paulo no ano de 1965, o Mausoléu dos mortos em 1932

É muito importante que os jovens saibam de seu heroísmo, do brilho de sua inteligência e de suas ações.

Escrevi este artigo em atendimento ao pedido de um aluno e publico na minha coluna deste portal para que outros conheçam a vida e obra desse grande herói.

Comentários

Um ituano por Itu

Edson Boni

Edson Boni

Administrador de Empresas, especialista em Finanças e Administração Hospitalar. Professor Universitário, Coordenador Pedagógico e Consultor Empresarial.

Arquivo