Colunistas

Publicado: Domingo, 14 de julho de 2013

Quem é o meu próximo?

XV DOMINGO DO TEMPO COMUM

14, Julho. 2013. Ano Litúrgico: “C”

    Evangelho (Lucas, 10, 25-37)

...............................................................................................................................

“”   Naquele tempo, um mestre da lei se levantou e, querendo por Jesus em dificuldade, perguntou:

“Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?”

Jesus lhe disse:

“O que está escrito na lei? Como lês?

Ele então respondeu:

“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a sua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e ao teu próximo como a ti mesmo!”

Jesus lhe disse:

“Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”.

Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus:

“E quem é meu próximo?”

Jesus respondeu:

“Certo homem descia de Jrusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o quase morto. Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquela caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado. Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem no seu próprio animal e elevou-o a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando:

“Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais”.

E Jesus perguntou:

“Na tua opinião, qual foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?”

Ele respondeu:

“Aquele que usou de misericórdia para com ele”.

Então Jesus lhe disse:.

“Vai e faze a mesma coisa”.

...............................................................................................................................

Essa passagem, assim ao repente, de inesperado mesmo, levou a uma curiosa constatação ou, ao menos, uma indagação.

Jesus prioriza acima de todas as ações possíveis do homem o amor ao próximo. Muito clara essa insistência nos evangelhos: amar, indiferentemente.

Existe amor, claro, aquele de derivação natural entre as pessoas por se conhecerem mutuamente, em especial ligadas por laços familiares.

O texto acima no entanto desperta uma curiosa dualidade: amar o próximo que, como a palavra indica, lhe esteja perto e demonstração de amor igualmente a quem não se conheça. O caso, evidente, da explicação de Jesus.

Entra aí justamente uma outra questão.

De ordinário, são muitos os corações generosos que demonstram carinho e cuidado com desfavorecidos seja pela sorte, seja pela fortuna, mas as quais não se conhece. Muita doação, por exemplo, é praticada de forma genérica, para o bem de necessitados locais mas não conhecidos ou ainda principal àqueles distantes, em alguns casos em regiões ou países distantes.

Tudo muito louvável.

O evangelho, entanto, de forma simples e objetiva, diferencia as duas maneiras de fazer caridade.

E vem aí a pergunta de arremate: quantas vezes me quedei nas ruas, esquinas, marquises, para ver mais de perto o próximo miserável?

Quantas vezes aquela sobra de comida, ao invés de ser endereçada ao lixo, poderia ser empacotada decentemente e ser entregue aqui e ali?

Tem-se a impressão de que a mensagem central deste evangelho de hoje é a de que amar o próximo, como ditame central, significa muito mais não dedicar somente atenção ocasional ao semelhante, mas trazer na alma e no coração de que todo ser humano é igualmente filho de Deus, portanto com irmãos de sangue ou não sempre perto, os bem postos e os necessitados, sem distinção.

Sempre há o que se possa fazer pelo outro!

                                                                                    João Paulo           

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio