Colunistas

Publicado: Domingo, 11 de setembro de 2016

Que ninguém se perca

Que ninguém se perca

 

 

24º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

11.09.2016 - Liturgia do Ano “C” de Lucas

Evangelho segundo Lucas 15, 1-10

...............................................................................................................................

“”    Do evangelho de hoje, a parte comentada, segue sobre os versículos de 1 a 10.

Opcionalmente, porém, a liturgia abre-se a quem o deseje, ir um pouco além do capítulo 11, isto é, de 1 a 34.

Naquele tempo, os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. Os fariseus  porém, e os mestres da lei criticavam Jesus:

“Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”.

Então, Jesus contou-lhes esta parábola:

“Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto e vai arás daquela que se perdeu, até encontrá-la? Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria e, chegando em casa, reúne os amigos e vizinhos e diz: ´Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida.´

Eu vos digo, assim haverá no mais alegria por um só pecador que se converte do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão.

E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente, até encontrá-la

Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas e diz: ´Alegrai-vos comigo! Encontrei a moeda que tinha perdido!´

Por isso, eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”.

...............................................................................................................................

Não poucas vezes as incertezas da vida nos importunam e nos sujeitamos a erros e descaminhos. E quando isso acontece, como tudo mais que seja repetitivo na vida, causa acomodação.

É aí então que existe o risco de até se acostumar a pessoa a viver no erro e, com o passar do tempo, mesmo sem entrar em desespero, se acomoda.

Trata-se de um pugilo de gente que precisa sim do amor de Deus, efetividade justamente possível para que Ele se sirva de nós outros para amparar e socorrer os espiritualmente decaídos.

E para isso, nunca é tarde.

Deus é cioso de seus filhos e sem exceção.

Por isso concita-nos a nos movermos nessa ajuda ao semelhante.

As parábolas da ovelha perdida e da moedinha finalmente encontrada, representam uma versão de como todos são extremamente amados por Deus.

Fique claro, em suma, o apelo vindo dos céus para que cada um olhe em torno de si. Ao assim proceder, com cuidado e com carinho, será um médico de Cristo a pensar as feridas alheias.

Mais que nunca, pois, que ninguém se perca.

                                                                                           João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio