Colunistas

Publicado: Sábado, 21 de janeiro de 2017

Quando será?

Quando será?

 

 

3º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

22.01.17 - Liturgia do Ano “A” de Mateus

Evangelho (Mt. 4, 12-17)

...............................................................................................................................

“”    Ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. Deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, no território de Zabulon e Neftali, para se cumprir o que fora dito pelo profeta Isaías:

“Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz”.

Daí em diante, Jesus começou a pregar, dizendo:

“Convertei-vos porque o reino dos céus está próximo”.    “”

...............................................................................................................................

Fica-se com os primeiros dezessete versículos do capítulo 4 de Mateus. A liturgia, contudo, faculta sejam trazidos às celebrações o texto acima ou o completo, ou seja, versículos de 12 ao 23.

É que entre outras asserções, uma delas e aqui no texto acima resumido, no fecho dele, se consubstancia uma frase lapidar. Ela, basta ela, para o que o fiel se debruce sobre o seu terrível mas inevitável aviso: a proximidade da morte.

A leitura pura e simples desse resumo aí em cima, pode levar incautos e distraídos, para a interpretação errônea da advertência final, o da proximidade do reino dos céus.

É comum e compreensível que, a menos avisados, se chegue ao entendimento de que um dia o mundo vai acabar. Em assim se cogitando, claro, todos podem ler e passar por cima do texto porque não há quem se imagine presente no final dos tempos, fim do mundo.

Não.

O texto traz advertência para o dia de hoje, o que possa ocorrer em algumas horas, ou seja, o instante da morte de cada uma das pessoas.

Quando será?

Aí o fulcro da interpretação.

Ninguém sabe. O momento da passagem da vida terrena para a vida eterna em geral não manda aviso.

Na plenitude da saúde, do bem-estar e das afabilidades de uma vida sustentada pela mais sólida das garantias, pode acontecer a qualquer momento.

E aí o questionamento: pode ser adiada para o futuro incerto ou para instante que se julgue mais apropriado, fazer-se íntegro e preparado o ser humano para o instante da morte?

De se repetir e calcar a indagação de todos, de si para consigo: sabe-se quando a despedida do mundo terreno vai acontecer?

A morte é certa.

Mas essa hora não manda aviso!

A mais absoluta das verdades, pois, de que o reino dos céus esteja próximo!

                                                                                                                                                                                        João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio