Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 23 de junho de 2008

Primeiro de Abril

Dia Internacional da Mentira
Mentira lembra falsidade, desonestidade, covardia...
Mente-se para escapar de uma enroscada, para justificar um deslize, para fugir de uma responsabilidade, para incriminar alguém, para denegrir uma reputação...
Mas, mente-se também para dar consistência a um sonho, trazer para o mundo real os desejos alojados nos mais recônditos esconderijos da alma.
 
Assim era o Sampaio. Um mentiroso sonhador que deixava extravasar de si o seu mundo ilusório, onde ele sempre era o herói, o grande, o privilegiado de alguma forma.
Era o seu jeito de compensar o anonimato em que sempre viveu, de fugir da mediocridade, de viver o seu faz de conta.
Os colegas faziam caçoadas às suas costas e, havia até quem chegasse a inventar mentiras e dizer que foi ele que contou, pois, afinal, de mentiroso, todos nós temos um pouco... E o Sampaio já tinha a fama.
 
Se acontecia um escândalo, desses pratos cheios, tipo “a mulher do prefeito fugiu com um motorista de táxi”, o Sampaio, invariavelmente, já sabia de tudo, nos mínimos detalhes, porque “o taxista contou pra ele” e o Prefeito, seu amigo íntimo, confiou-lhe a desconfiança desde as primeiras suspeitas e chorou no seu ombro o leite derramado.
Se um nadador da cidade fazia sucesso lá fora, era contratado por um clube famoso, convidado para participar de um torneio internacional, o Sampaio dizia que foi ele quem ensinou o rapaz a nadar, e que, recentemente, tinha conversado com ele e dado umas dicas referentes a mergulhos, respiração, etc.
 
Dizia-se conhecido e admirado por todas as pessoas de destaque na cidade e enumerava os muitos convites que recebera para ocupar cargos de confiança das autoridades locais e ótimos empregos na indústria e no comércio, afirmando que recusara a todos porque preferia continuar no seu emprego fazendo o que gostava.
 
Primeiro de Abril!
Os amigos resolveram fazer uma brincadeira com ele.
Falaram sobre a dificuldade encontrada pelos candidatos à admissão da Academia Militar das Agulhas Negras e o Sampaio, imediatamente, inventou:
- Conversa! O exame é muito fácil, pois imagine que em 1980 eu fiz uma aposta com uns amigos que estavam se ralando de estudar. Disse a eles que prestaria o vestibular sem estudar nada e passaria.
- E passou?!
- Foi até engraçado. Nenhum deles passou e eu passei em primeiro lugar. O reitor até me chamou à sala dele para me cumprimentar.
O amigo inventa:
- Em 1980 o reitor era o General Sampayo. Será que ele não é seu parente?
- Pois sabe que é. Nós ficamos batendo papo um tempão e acabamos descobrindo que ele é filho de um primo de meu pai. Meu primo em quarto grau!
O amigo continua:
- Mas o Sampayo dele é com Y.
- O da minha família também era. Foi meu avô que trocou pelo i no registro dos filhos.
 Gargalhada geral:
- Primeiro de Abril!
O Sampaio não perde o rebolado:
- Ha!Ha!Ha! Claro! Percebi logo! Estava dando corda para ver até onde vocês iam.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida