Colunistas

Publicado: Sábado, 1 de outubro de 2016

Poeta e Cordelista

Crédito: © Cristina Gimenes Poeta e Cordelista
Drummond e eu...


Cordel com o mote:

"Mas não sou de Itabaiana

Nem nasci em Itabira."

 

Itabaiana, na arretada Paraíba, celeiro de brilhantes poetas e cordelistas.


Itabira, nas Minas Gerais, terra do inigualável Carlos Drummond de Andrade.

 

À minha querida e inesquecível Itu – pequena no nome, grande em meu coração – marco na história de nosso país, e berço de artistas exponenciais em todas expressões de arte.


Estendo, também, esta homenagem a todos que se esmeram na arte da escrita, bem como na arte da vida.

 

Oitavas heptassílabas   

Esquema de rimas: ABABCDCD

 


Poetas há no mundo inteiro
Têm uns lá da Paraíba
Outros do solo mineiro
Com a rima bem em riba
Ah, se eu versasse assim bacana
Como canta a corruíra
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


Muito há pra se dizer
Da vida e da natureza
Só olhar e perceber
Suas nuanças, sutilezas
É uma beleza insana
Que se contempla e suspira
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


Quero descrever o mar
Céu, estrelas, seus enredos
E da lua o luar
Seus mistérios e segredos
Mais que numa escrita plana
Em obra que se admira
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


Da família vou gabar
Grato sou que ela é tão linda
É de Deus o abençoar
Sua graça é infinda
Fez o sol, calor emana
Tão belo, a gente delira
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


Sou um simples sonhador
Vate temporão, paulista
Vindo lá do interior
Um poeta e cordelista
Dentro tenho muita gana
Qualidade sempre em mira
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


Firmei as minhas raízes
Em Jesus que me encontrou
Não mais doem as cicatrizes
Seu amor me transformou
Deixei a vida mundana
Ainda sou meio caipira
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


Reconheço o (meu) valor
Dom do alto concedido
Prova de poder e amor
Feliz em Itu nascido
Nada devo aos de Santana
Admiro os de Cupira
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.


E sigo a vida cantando
O amor em prosa e verso
Boas novas espalhando
Nestas bandas do universo
Norte ou sul-equatoriana
Como preciosas safiras
Mas não sou de Itabaiana
Nem nasci em Itabira.
 

Comentários

É Tempo de Poesia

George Gimenes

George Gimenes

Formado em Engenharia Elétrica pela Unicamp, poeta por vocação, publica online no "Recanto das Letras" e em seu blog "O Engenheiro Que Virou Poeta". Possui também publicações em livro solo e em antologias. Natural de Itu, reside com sua esposa no Canadá.

Arquivo

17 dias atrás

New York

31 de agosto de 2019

Andorinhas

9 de agosto de 2019

Mãos Procuram-se

23 de maio de 2019

Saudade Sem Saída

12 de maio de 2019

Mãe Inexplicável

Ariza Centro Veterinrio