Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 16 de março de 2012

Pode não dar tempo...

IV DOMINGO DA QUARESMA

Março, 18.  2012

Evangelho (Jo. 3, 14-21)

..............................................................................................................................

“Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos:

'Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna. Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. Mas quem age conforme a verdade aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus'.”

...............................................................................................................................

Note-se que neste evangelho não acontece propriamente uma narrativa do apóstolo João. Limita-se tão somente a reproduzir frases – um longo enunciado – dito sem recortes nem outras intervenções, diretamente por Jesus.

Acentua a profunda contradição, óbvia embora, entre a luz e as trevas.

Debaixo da luz do sol ou em pleno dia, fica bem difícil esconder o mal e suas consequências.

Já, na penumbra, o mal feito prospera e age. Soturnamente. Quais ratos e outros animais noctívagos. Fazem das suas sem serem vistos. A luz lhes ofusca a vista e correm se esconder em tocas e buracos.

Assim o homem mal intencionado. Age às escondidas e, o que é pior, muitas vezes se faz passar por coerente, equilibrado e honesto. Engana, até consegue, mas não indefinidamente. Um dia a máscara cai.

Se conseguir ludibriar na terra, então o que urdiu no escuro enquanto vivo passa-lhe a ser escuro também definitivamente, para nunca mais ver a luz, aquela mais brilhante que o sol, Jesus na vida eterna.

Este comentário não tem a intenção de ser atemorizador. Limita-se ao óbvio e à verdade.

Sim, porque, há que se dizer que Jesus, mesmo quando o homem dele desvia, continua por perto.

É de Jesus a afirmação, naquela clássica resposta aos discípulos, de que ao arrependido verdadeiro, ao penitente autêntico, a possibilidade do perdão vai ao infinito do que exemplificou ao afirmar ser setenta vezes sete.

Não caia, porém, ninguém na ingenuidade de, antes de pecar, aviste o confessionário lá na frente, a iludir-se então a si próprio: eu peco, mas depois eu confesso

De repente, pode não dar tempo.

João Paulo               

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio