Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Pessoas comuns

 

APRESENTAÇÃO DO SENHOR

Fevereiro (domingo) 2, 2014 – Ano “A”

Evangelho (Lucas, 2, 22-32)

.............................................................................................................................................................................................................................................

“”   Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor, conforme está escrito na lei do Senhor:

“Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”.

Foram também oferecer o sacrifício – um par de rolas ou dois pombinhos – como está ordenado na lei do Senhor.

Em Jerusalém havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.

Movido pelo Espírito, Simeão veio ao templo. Quando os pais trouxeram o Menino Jesus para cumprir o que a lei ordenava, Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus:

“Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; porque meus olhos viram a tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”.

.............................................................................................................................................................................................................................................

Divide-se, com notória distinção, a vida pública de Jesus em relação aos presumidos trinta anos de convivência simples, o contexto da sagrada família. Nessa fase, por sinal a mais longa, a Bíblia é um tanto sóbria.

De qualquer modo, ainda que modestamente, os passos do recém nascido até a idade adulta,estão  pontilhados de momentos miraculosos.

Comparecem os pais, de modo consciente, a cumprir a apresentação do primogênito no templo e consagrá-lo a Deus, medida prescrita pela lei antiga.

A humildade e, ao que parece, um quase silêncio em torno da sagrada família, entre outros, apresenta episódios ligeiros, como se fossem lembretes esporádicos da magnificência daquele lar de vida pacata.

Dali, afinal, viriam os anos de plenitude e concretude do anúncio da boa nova pelo próprio Jesus, levado à cruz, mas ressuscitado e Senhor Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, vivo e perpetuado entre na Eucaristia.

Primavam, Maria, Jose e Jesus, por se mostrarem pessoas comuns.

                                                                                                                  Joao Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio