Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Pesquisas

Crédito: Internet Pesquisas
Você acredita em pesquisas? Sabe de nada, inocente...

Uma das maiores fontes de fakenews são as tais pesquisas eleitorais. Na minha opinião de cidadão e eleitor, as pesquisas deveriam ser banidas do nosso cenário eleitoral. A meu ver, não contribuem para exatamente nada, nadica de nada. Servem somente como instrumento de (anti) propaganda, negociatas entre institutos de pesquisa e partidos, bem como para causar desinformação e confusão no eleitorado.

Há sempre quem argumente que as pesquisas são uma bela prestação de serviço aos eleitores. Balela, mentira pura. Todos sabemos que, no Brasil, a grande maioria das pessoas define seu voto faltando quinze dias para a eleição. Então, por que essa mania de iniciar pesquisas um ano antes do pleito? Qual é o interesse nessa prática? Informar o eleitor não é, acredite.

Num país de mentalidade política corrompida, como é o nosso, todos os que trabalham ou já trabalharam em alguma campanha eleitoral (como é o meu caso) sabem que sempre há duas pesquisas: uma interna, retratando a realidade; outra externa, que é a que vai para as páginas dos jornais. Institutos nada idôneos combinam sem o menor pudor a melhor maneira de publicar a pesquisa que mais lhe interesse na mídia. É quando marqueteiros políticos e militantes disfarçados de jornalistas andam de mãos dadas para dizer ao povo qual candidato é o melhor, qual é o que está na frente, quem merece ganhar.

A enorme variedade de métodos utilizados nessas pesquisas também gera grande fator de dúvidas. Por mais leigo que eu possa ser no assunto, não me convence uma pesquisa feita com 3 mil pessoas sendo que temos um eleitorado de quase 150 milhões de votantes. É preciso ter muita fé nas tais das “amostragens”. Pesquisa por telefone? Sei não. E os que respondem ao contrário, só de birra? Sem dizer que, nas seis eleições das quais participei votando, muitos conhecidos e eu jamais fomos entrevistados uma única vez sequer por qualquer instituto de pesquisa. Será que entrevistam sempre os mesmos?

Além dos argumentos acima expostos, vale lembrar a triste realidade dos erros crassos cometidos por pesquisas em nossa história recente. Destaco dois casos, fáceis de lembrar e de conferir. Primeiro, em relação às eleições presidenciais norte-americanas. De acordo com as pesquisas, a candidata Hillary Clinton venceria o candidato Donald Trump em qualquer cenário, até mesmo em Júpiter. E aconteceu o que? Justamente o contrário! Empossaram o Mr. Trump e os tais institutos de pesquisa não sabiam onde enfiar a cara. Foi hillário!

Em terras tupiniquins, os institutos de pesquisa cravaram um segundo turno entre Haddad e Marta para a prefeitura de São Paulo. Então veio João Dória, que sempre apareceu em quarto lugar nas amostragens, para ganhar a disputa. E no primeiro turno! Um tremendo vexame para os tais pesquisadores! O mesmo aconteceu em relação a inúmeras candidaturas espalhadas pelo Brasil. É muita condescendência ignorar ou passar panos quentes em erros tão grandes.

Enfim, não creio em pesquisas. A favor deste ou daquele candidato, não creio. Neste ou naquele cenário, não creio. Crer nelas é exigir de mim uma ingenuidade e um desconhecimento que já não possuo. A única fonte válida de ser pesquisada é a realidade. Avaliar a verdade do que acontece ao nosso redor vale muito mais do que qualquer matemática ou estatística. Na vida prática não há isso de dois pontos para mais ou para menos.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo