Colunistas

Publicado: Domingo, 7 de fevereiro de 2016

Pesca de homens

Pesca de homens

 

 

5º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

Fevereiro, 7, 2016 – Liturgia do Ano “C”

Evangelho (Lucas 5, 1-11)

...............................................................................................................................

“”   Naquele tempo, Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus.

Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes.

Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois, sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.

Quando acabou de falar, disse a Simão:

“Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”.

Simão respondeu:

“Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”.

Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes, que as redes se rompiam.

Então fizeram sinal aos companheiros das outras barcas, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as barcas, a ponto de quase afundarem.

Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo:

“Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador”.

É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer.

Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados.

Jesus, porém, disse a Simão:

“Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”.

Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram Jesus.

...............................................................................................................................

Preconceito dos maiores e muito comum, o de que se faça juízo antecipado das pessoas. É o erro de agir pelas aparências.

Jesus sinaliza constantemente em direção oposta. Semeia em terra em que, num primeiro momento, não haveria de vicejar planta alguma.

Quem daria valor a Pedro, exceto como pescador profissional? Rude, tosco, mas dentro de quem havia um coração ainda embrutecido pela dureza da vida, mas, lá no fundo, capaz ainda de ser generoso. E dessas profundezas da alma alheia Jesus entendia muito bem.

Ocorreu ali a nomeação do apóstolo, naquela hora, para em toda sua rudeza, vir a ser  o primeiro condutor da Igreja nascente, a ser fundada por Jesus.

Favorecido da graça divina, Pedro não questiona nem duvida. Diante do fato milagroso e da ternura daquele homem que o convidava, aderiu de pronto.

De saída, Pedro, experiente na pesca, leva de roldão João e Tiago. Quem sabe não foram esses dois companheiros a primeira repercussão da insólita missão de pescador de homens de Pedro, mesmo sem atinar ainda para a natureza dessa influência. Quem sabe?

Jesus atrai sempre e daí o tamanho da culpa da indiferença humana que teima em errar tantas vezes, a despeito dos sinais evidentes no convite do Mestre a que cada qual passe a uma outra vida, aquela do afeto, da religiosidade, tudo enfim que nasce a partir do amor ao semelhante.

Há pessoas ao derredor das quais se guarde mágoa? É tirá-las de si, já e agora.

No final da oração por excelência, a do Pai Nosso, é insistente e clara a chamada para o perdão a terceiros, na expressão do “assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”!

Esse gesto, por si mesmo, é caminho direto para a ação apostólica da pesca de homens.

 

                                                                                                João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio