Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 28 de abril de 2011

Paz e bem

III  II Domingo da Páscoa.

Primeiro de Maio, Dia do Trabalho. 2011.

João comparece com o evangelho, no seu capítulo 20. Versículos de 19 ao 31.

*   *   *   *   *

“”  Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”.

Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãsos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”. Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!”

MasTomé disse-lhes: “Se eu não vir as marcas dos pregos em suas mãos, se eu não puser os dedos nas marcas dos pregos e não puser a mão do seu lado, não acreditarei”.

Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”.

Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e co0loca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”.

Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!”

Jesus lhe disse: “Acreditaste porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”

Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos que não escritos neste livro. Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome. “”

*   *   *   *   *

A serenidade, a ausência de tumulto, o equilíbrio no querer as coisas, bastar-se com o necessário, fidelidade a Jesus e à Igreja, seriam esses provavelmente os ingredientes que pudessem caracterizar uma vida de paz verdadeira.

Estado de espírito voltado a ter Jesus consigo e levá-lo a outrem. A paz, enfim.

Tão importante a verdadeira paz que Jesus a preconiza, ao por várias vezes assim felicitar os seus discípulos, uma vez ressuscitado.

Captada por isso mesmo, com acerto, pelos seguidores de Francisco, sua insígnia: Paz e Bem.

De outro lado, tomara passam todos enfileirar-se entre aqueles que crêem, em tempos de agora, porque são considerados bem-aventurados por aceitarem Jesus, sem ter visto seus milagres.

Bem, em princípio, essa sem dúvida uma notícia alvissareira.

Em verdade, dizer-se crédulo em Jesus e sua doutrina, mas nada viver em consonância com ela, também não assegura salvação a ninguém.

Autêntica dádiva o dom da fé. Se se acolhe Jesus de coração, inclina-se o homem a naturalmente seguir suas pegadas e tomar pressurosamente bastão e cajado e sair a evangelizar.

Assumida a crença no Mestre, espontaneamente lhe hão de brotar nos lábios palavras capazes de suscitar igual vontade nos semelhantes.

                                                          João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio