Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 10 de maio de 2010

PAZ

Sexto Domingo da Páscoa.

Nove de Maio, 2010.

Evangelista João com a palavra.

Versículos de 23 a 29.

Capítulo 14.

*    *    *    *    *

“”  Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes o que eu vos disse: ´Vou, mas voltarei a vós´. Se me amasseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isto agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis”.  “”

 *   *    *    *    *

Sempre no estilo aqui adotado, o de se enunciar apenas pistas e veios que porventura ajudem os leitores a refletir e beber da fonte generosa dos evangelhos, por isso de frases e recados curtos, dir-se-ia nesta sexta semana do tempo da Páscoa, que uma vez mais Jesus insiste em proclamar as excelências da paz.

Adverte contudo que a paz que almeja e oferece – a verdadeira, pois vem dele – não elimina momentos difíceis nem promete maravilhas. Fundamenta-se principalmente no que possa costumeiramente se chamar de paz de espírito.

Paz de espírito.

Estar com Deus e haurir nele controle emocional, fruto da meditação, para os embates da vida, nem sempre fáceis ou pequenos. Cabeça confiante nele e assim preparada.

Aí sim se dirá que a paz seja completa.

Claro. Se o distúrbio se apresenta e ocorre quase sempre de inopino, encontra você pronto e preparado e não o abala a ponto de perder-se. Domina a situação, sem revolta e assim se controla, ou seja, você terá aprendido a paz dos momentos alegres e a mantença da mesma paz, quando o imprevisto surge. Iisto é, paz sempre. Duradoura. Serenidade, advinda da crença e confiança em Deus.

No trecho, surge aqui também bem claro o mistério da Trindade, que mesmo assim é trina e una um tempo só. Fora do alcance sua compreensão para meros mortais, mas inoculada com alegria no dom da fé de cada um.  

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio