Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Papai Noel: o Caminho Mais Fácil

Crédito: Internet Papai Noel: o Caminho Mais Fácil
Bom velhinho: ficção, bonachão e ilusão.

Aproximando-se o Natal, ressurge de vermelho o gordinho bonachão. Em meio à barba branca, um sorriso constante vem emoldurado por bochechas rosadas.

Nossa sociedade questiona tudo e todos, mas é intrigante como aceita certos modismos. O Papai Noel, criado nos anos de 1950 pelo marketing norte-americano, nada tem a ver com a figura verídica de São Nicolau que o inspirou muito de relance.

Fica fácil entender a lógica do Papai Noel. Ele nada pede e não é severo. Tem sempre um monte de presentes e vive sorrindo. Não tem doutrina ou condições. Tem uma só condição: que sejamos bonzinhos durante o ano. Só que ultimamente a noção de “bonzinho” está relativa demais.

Natal é tempo cristão, a data que recorda o nascimento de Jesus Cristo. Há muitas famílias conscientes disso, não permitindo que trocas de presente ou ceias fartas releguem o sentido natalino a segundo plano.

Na mentalidade mimada de hoje, que aceita só o que lhe agrada, é incômodo confrontar-se com a figura do Menino Jesus. É estranho ver naquela criança pobrezinha um Messias. É complicado entender um Deus que se fez homem, quando hoje tantos homens querem se fazer deuses. É inaceitável lembrar que este bebê na manjedoura é o mesmo que morrerrá torturado na cruz por pregar o Amor como valor maior.

O Menino Jesus olha pra nós com um puro sorriso infantil. Por trás dessa singeleza ele apresenta dilemas e nos pede para: amar quem nos odeia; dar a outra face ao tapa que machuca; morrer em benefício dos outros; desapegar dos bens materiais; viver já conforme os valores do Reino de Deus.

Chegamos ao ponto: é muitíssimo mais cômodo sorrir para o Papai Noel do que aceitar a proposta que vem do Menino Jesus. Só que o primeiro é ficção, é truque de marketing. O segundo é real e verdadeiro. Mais ainda: é vivo! O Deus que se fez homem e morreu para vencer o mal do pecado, através do Amor, ressuscitou e está conosco até o seu retorno.

Caso queiramos mudar o mundo para melhor, é preciso acertar alguns ponteiros. Não aceitar candidamente os modismos inventados para nos distrair e basear a nossa vida em valores concretos, vindos de pessoas concretas.

Para os cristãos, no Natal, o Jesus verdadeiro e concreto vem até nós numa manjedoura. Espero que você reflita bastante quando olhar nos olhos do Menino Deus. Amém.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo